Direitos Autorais

Todas os textos, sejam parciais ou integrais, fotografias e imagens de todas e quaisquer criações incluídas neste blog/site estão sobre a proteção da LEI DO DIREITO AUTORAL Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Portanto, é proibida qualquer reprodução ou divulgação das mesmas com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive WEB, sem prévia consulta e aprovação. Não copie! Entre em contato: priscilacartomante@hotmail.com

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Malandro Zé Navalha (Zé da Navalha):

Olá amigos seguidores, atendendo ao pedido da querida seguidora Letícia Sena, falarei sobre o Seu Zé Navalha (Também conhecido como Zé da Navalha).


Seu Zé Navalha (ou Zé da Navalha), esse Malandro é muito raro, ele é mais raro que as outras denominações que comportam energia similar. Ele é mais raro que o Seu 7 Navalhadas, porém, ele é mais comum que o seu 7 Navalhas. 
O Malandro Zé da Navalha, tem esse nome espiritual por conta do sub grupo ao qual pertence, mas as coisas que eu vou escrever se referem apenas a um. Ele recebeu acolhimento, após uma reluta muito grande, foi uma luta incessante de irmãos espirituais para que ele assumisse suas falhas, seus débitos e trabalhasse a serviço da caridade. Em vida sempre fora muito arrogante, dono de gênio forte, recebeu da família a herança passada a gerações, muitos e muitos anos vivendo dentro de uma barbearia, ele literalmente estava inserido no contato com o fio da lâmina. Ainda menino aprendeu a manusear com destreza aquele instrumento utilizado no trabalho de muitos homens da família, muitas Navalhas antigas que herdou com certa facilidade.

(Nota da Autora: Normalmente Malandros e Malandras vem com suas memórias, mas nem sempre é como todo mundo imagina, as pessoas geralmente só pensam no Malandro urbano, do samba, da raiz ou no arquétipo interiorano concebido pelas histórias de alguns Zés. 
O arquétipo pode ser retrato fiel de suas vidas encarnadas, ou não, apenas se assume este em favor dos menos favorecidos e o fundamento recebido dentro da linha.
A Navalha foi expressiva com esse Malandro, porque nem toda história da noite, boêmia tem haver só com o Morro, o Batuque e a Lapa, foi complicado para mim entender isso, mas ela que me orienta, e sem ela ou outros, não escrevo, então se ela disse que esse Malandro muito antigo, tem uma memória ligada a esse lugar, cabe a mim escrever).

Esse Malandro teve uma criação muito forte, rígida, isso trouxe ao espirito uma certa seriedade, não o tempo todo, nem com toda gente, mas as vezes o silêncio dele é pura prata.
Muitos de seus débitos vem dessa impulsividade, moldada por uma família extremamente tradicional, com o que hoje consideramos machismo, mas para eles era parte do cotidiano, culturalmente correto. Sempre foi muito mulherengo, metido a conquistador, conquistas curtas, com pouca emoção. O mais próximo que chegou de afeto fora com a avó, mas tinha muita pressão sobre si, o que fez dele um menino tímido, um rapaz sombrio e um homem de práticas duvidosas. Infelizmente, ele não gosta de falar de suas vidas, suas lembranças hoje o atormentam um pouco. 
Ele é muito focado no trabalho espiritual, resolve as coisas e vai embora, não perde tempo com absolutamente nada diferente da evolução, creio que esta é uma lição verdadeira, pode ser pouco compreendida no inicio, mas é o único caminho, (Palavras dele canalizadas por mim).

Características:

Indumentária: Preto e branco, com preto sobressaindo, preto e vermelho poucos deste agrupamento usam vermelho e branco. Gosta de chapéus simples, roupas elegantes, tudo sempre muito limpo. Pode ou não utilizar bengalas (Mas nem sempre tem uma roupagem de velho).

Fumo: Cigarros fortes e charutos.

Bebidas: Cervejas fortes, Whisky, conhaque, etc.

Fundamentos: O contra ponto dele é Dona Maria Navalha, mas em geral andam em direções opostas, esse nome Zé da Navalha vem por essa memória, ele não é chamado assim a toa. Pode chamar Zé Navalha ou Zé da Navalha, não muda o trabalho espiritual, mas é sempre importante entender que tem uma fundamentação por trás.

Trabalha com baralhos, dados, bengalas, navalhas, navalhetes, lâminas em geral, cruz, crucifixos, terços, cachaças, dendê, moedas, chaves, velas de cera, velas brancas, velas brancas com pretas, entre outros.

Espero que vocês tenha gostado, em especial você Letícia Sena.
Muito Axé e Salve Seu Zé da Navalha.

Obs: Respeitem os direitos autorais.
Imagem meramente ilustrativa.
Esse texto, assim como os outros, estão proibidos para cópias, sejam parciais ou integrais sem prévia autorização da autora. Plágio é Crime.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

onselectstart='return false'