Direitos Autorais

Todas os textos, sejam parciais ou integrais, fotografias e imagens de todas e quaisquer criações incluídas neste blog/site estão sobre a proteção da LEI DO DIREITO AUTORAL Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Portanto, é proibida qualquer reprodução ou divulgação das mesmas com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive WEB, sem prévia consulta e aprovação. Não copie! Entre em contato: priscilacartomante@hotmail.com

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017



Não existe nada maior que a fé.

A fé faz você mover montanhas para concretizar um objetivo.
A fé faz você acreditar no amor, acreditar de novo e de novo. Faz você não desacreditar no grande amor que as entidades tem por você. O carinho imenso da espiritualidade, o acolhimento do guia, o aconchego dos que nunca te desamparam.
A fé te trás novos desafios a cada instante, vem uma enxurrada de problemas, frustração, medo por um certo tempo e uma insegurança que faz o peito encher - se de agonia. 
Mas quando tu lembras do Zé Pelintra, da Maria Navalha, Zé Pretinho, do Malandrinho ou que no Cais tem Maria, o problema diminui, a esperança chega, a alegria invade, a tristeza esvai. Como num passar de segundos, estes espíritos lhe recuperam. 
Isso chamamos de fé.
Vencer a si mesmo, renovar - se, acreditar, recomeçar.
Fé. Pura. Simples. Genuína.
Reside fé no coração do afilhado do Zé.
Fortalece Zé Malandro, Camisa Preta, Sete Navalhadas. Ilumina Maria Rosa, encanta Maria Preta, firma tua filha Dona 7 Navalhas.
E amanhã, quando o sol raiar, lembrem - se, vocês são filhos de Umbanda.
E nós nascemos para guerrear. E vencer !
Resiste !



A multiplicidade de espíritos da Malandragem num único médium:

Um (a) médium recebe em sua egrégora alguns Malandros e Malandras, e espiritualmente não existe uma regra limite, em relação a quantidade dos espíritos, o que existe são coisas básicas:

*Certificação que não é mistificação, processo anímico, com um médium que "quer" ter muitas entidades, para se mostrar, para inflar seu ego ou corresponder seus desejos de vaidade.


*Uma casa umbandista, que compreenda as relações cármicas, de médiuns e entidades.
*Quanto maiores os carmas, necessidade de aprendizagem específica, conjuntura de missão espiritual : Maior será a tua egrégora, variando por linha, por isso um médium pode ter (ou não) dois baianos, uma médium três pombagiras, algumas três ciganas, etc.
.
*O Espaço para o desenvolvimento das entidades é que faz a diferença, haverão terreiros que se recusarão cuidar de tantas entidades, mesmo sendo de umbanda.

*Em relação a outras religiões, isso pode se restringir ainda mais, como os irmãos da religião candomblé, que só permitirão um espírito trabalhar na esquerda, ás vezes, mas raramente dois, não fazendo distinção, se é malandra ou é pombagira, se é mestre ou Exu "Zé", tudo é colocado no mesmo balaio, e poucos espíritos serão desenvolvidos, estudados, permitidos, já que o foco é cuidar do orixá, sem outras ordens de incorporação. Para muitos zeladores candomblecistas, não faz diferença se você tem ciganas do oriente, malandras, malandro, Exu mirim, pombagiras, porque o foco é seu orixá, único que receberá cuidado integral. As raras exceções nos barracões de candomblé são os que permitem incorporação de duas entidades, porém, não serão diferenciadas. É a partir daqui que surgem médiuns que não sabem se incorporam Malandra ou Pombagira, não aprenderam a diferenciar, muitas vezes desconhecem que tem entidades de todas as linhas, etc...

*Em relação a quimbanda, existem Malandros trabalhando com quimbandeiros independentes, mas são poucos, tendo em vista que são milhares no plano astral. 
*As Firmezas na incorporação, tem papel fundamental, o médium poderá incorporar muitos malandros quando houver esse trabalho, mas todos serão diferentes, fundamentados, e obviamente bem incorporados.

Não precisa se rebelar quanto a isso, basta estudar, buscar saber, conhecer, entender. Nenhum conhecimento deveria ser limitado. Se um zelador recusa - se a ensinar, aprender, compreender as egrégoras de seus médiuns, não deveria em contrapartida, proibir essas pessoas de se cuidar aonde obtenham essência, necessária e apurada, sobre todas as falanges, egrégoras, grupos e linhas possíveis para desenvolvimento. Como ter sim, duas malandras (mulheres), dois malandros (médiuns homens), dois casais ou mais (comum com médiuns mulheres).

Seguir a intuição é primordial, nem todos serão assim, porém, os poucos que tem 2, 3, 4 malandros (ou até mais), não são loucos (as). A sagrada umbanda vem acolhendo, preparando e condicionando todos para o mais importante:

Caridade.



Malandro Zé Pretinho da Estrada


Olá amigos seguidores, com satisfação e alegria, vou postar sobre mais um falangeiro de Zé Pretinho. Em homenagem a uma seguidora que tem muita fé e nos pediu com gentileza sobre ele.
Seu Zé Pretinho da Estrada é um Malandro jovem, esse nome especificamente caracteriza homens jovens, alegres, extrovertidos, eles são os boêmios, corteses, reis da noite, filhos da madrugada, dentro da falange de Zé Pretinho não é o mais novo, mas certamente não é o mais velho. Carrega a energia do movimento, das verdades, cartadas e palavras certeiras. É conhecido como o "homem dos caminhos", mas não é Exu. Trabalha paralelamente com exus, pombagiras e baianos, mas teu seu trabalho diversificado, podendo trabalhar até em favor das almas, tem energia densa, porém, é calmo, atencioso e muito educado. Ele é apontado frequentemente como o Malandro que dispersa as energias negativas, ele absorve, neutraliza, corta e ordena. Os médiuns desse Malandro podem alinhar - se a essa energia, pedindo auto confiança, dinamismo, poder de decisões, mas é uma entidade que merece respeito, carinho, atenção e cuidado. Já que é necessário conhecimento, honestidade e doutrina para tratar dele, exatamente por ser quem ele é. Não é um Malandro qualquer, quem carrega Zé Pretinho, conhece sua energia. Bondoso, caridoso, pai, amigo, padrinho, mas quando é mal tratado, torna se imprevisível, não chega a ser violento, mas pode afastar - se. Seus caminhos normalmente são determinados por Ogum, Oxossi e Xangô, podendo ter variações.
Características:

Indumentária: branco e preto, preto e vermelho, todo branco, todo preto e muito raramente vermelho e branco. Seu chapéu é de boa qualidade, sua maior exigência material, podendo ser panamá clássico, veludo, entre outros. As Camisas, blusas listradas preto e branco, calça preta, calça branca costumam ser preferência. Não costumam usar cachecol. São raros os que usam. As penas nos chapéus são mistérios da Linha, poucos tem conhecimento sobre isso.

☘ F Fumo: cigarro filtro vermelho, cigarro de palha, charutos diversos.

Bebidas: Cerveja branca, cerveja preta, cachaças, cachaças com mel, whisky, conhaque, etc..
Comidas: Sardinha no dendê em 7, é um dos pratos principais, mas comem farofas, pimentas, linguiças, azeitonas, cebola, entre outros. Limão e pimenta são fundamentos importantes.
Fundamentos: Punhal, bengala, fumo, jogo do bicho, baralhos (verso preto), navalhas, facas, dominós, lenços, pólvora, dados brancos, dados coloridos, dendê, tabaco, samba de roda, samba de raiz, partido alto, velas bicolores preta e branca, moedas, cruz, crucifixos, terços, rezas, benzimentos, chaves, simpatias, magias de crendice popular, entre outros.
Eu espero que vocês tenham gostado, especialmente você Therezinha Maciel. Eu queria dizer mais coisas, mas não tive permissão.
Muito axé e Salve Zé Pretinho da Estrada.

"Ô Lá no Morro, chamam ela de Maria, mas na alta burguesia só lhe chamam de Navalha..."


"Eu falei pra não mexer, eu falei pra não brigar, os rivais ela retalha. Ô Lá no Morro, chamam ela de Maria, mas na alta burguesia só lhe chamam de Navalha..."


Quando se trata de luta, força, emancipação feminina, empoderamento, honra e dignidade, estamos falando dela. Maria Navalha, a fina flor da Malandragem, mensageira de Oyá, guerreira de Ogum. Menina dos dadinhos, dama do carteado, a bamba da favela. Salve ela !!!!!!!

Quem desce a ladeira e sempre enobrece. Navalha pra quem não conhece.

Axé e Salve a Malandragem !
Fotografia da Malandra lindíssima da Jo Trentin, que previamente nos autorizou.





Dia Nacional do Samba:


Em Homenagem ao Dia nacional do samba - 02 de dezembro.

"A sorrir,
Eu pretendo levar a vida,
Pois chorando,
Eu vi a mocidade,
Perdida.

Finda a tempestade,
O sol nascerá,
Finda esta saudade,
Hei de ter outro alguém para amar."

(Cartola e Dona Zica)

Seguimos resistindo.


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Edição - Falanges de Malandros - Malandros e Malandrinhos da Encruzilhada:

Olá meus queridos seguidores, após uma sequencia de dias turbulentos, consegui acalmar os ânimos,  e assim prosseguir com as postagens para o conhecimento de todos.
Hoje irei escrever um pouco sobre as minhas vivências com os Malandros e Malandrinhos da Encruzilhada.

Os Malandros das Encruzilhadas tem um trabalho muito especifico, atuam sobre os caminhos, as encruzas, os desejos e as decisões. São Malandros que normalmente são sérios, poucos nos terreiros são falantes, abertos, carismáticos. Entretanto são amigos dos seus médiuns, zelam especialmente por seus médiuns, focando sua energia naqueles que os atravessam como medianeiros. Isso não significa que não possam realizar consultas, ter protegidos, afilhados e cuidar de outras pessoas, apenas aponta que eles tem uma ligação maior com os médiuns que os tem.
São muito rápidos em seus trabalhos, porém, são muito exigentes, consideram a fé das pessoas, a maior arma para auxilia - las. Não costumam atender pedidos de pessoas que não tem compromisso com a espiritualidade, ajudando apenas aqueles que acreditam verdadeiramente na espiritualidade.
Não tem boas relações com suas histórias pregressas, por isso tem imensa dificuldade de contar, são reservados enquanto a isso, importando - se apenas com seu trabalho espiritual. Pode ser que um lhe conte uma história de vida, preserve com muito carinho, eles realmente não gostam de fazer isso.
São os Malandros que mais trabalham com Exus e Pombagiras, realizando trabalhos intercruzados, gostam muito da própria falange, cuidam dos protegidos em todos os momentos, mas sua atuação de protetor é muito diferente nas ruas. São guardiões dos caminhos, sentinelas de Exu e Ogum, homens de fibra, de lei, cumprem seus acordos, honram suas palavras e jamais descumprem algo que se comprometeram a realizar.
Suas roupagens fluídicas variam muito, existem novos e velhos. Sendo mais comum roupagens de homens com meia idade.

Principais entidades da Linha da Malandragem na Falange:
Zé Pelintra da Encruzilhada
Zé Malandro da Encruzilhada
Malandro da Encruzilhada
Malandro das 7 Encruzilhadas/Malandrinho das 7 Encruzilhadas
Malandrinho da Encruzilhada
Entre outros.

Características:
Indumentária: As cores preto e vermelho são as mais usadas, podendo usar preto e branco, branco e vermelho, etc. A cor predominante costuma ser preto. Gostam de camisas, calças e chapéus de boa qualidade. As vezes usam ternos, gravatas, raramente utilizam cachecol.

Bebidas: Cerveja branca, cerveja preta, whisky, rum, conhaque, cachaças, gim, entre outros.

Comidas: Gostam de farofas de dendê, linguiça, cebolas, pimentas, sardinhas, entre outros.

Fumo: Charutos, charutinhos, cigarros de filtro vermelho.

Fundamentos: Naipe de Paus, Naipe de Espadas, Baralhos, dados vermelhos, dados brancos, bola 8 da sinuca, búzios, chaves, terços, pólvora, dendê, navalhas, facas, pembas, punhais, canivetes, bengalas, crucifixo, velas de cera e muitas outras coisas. 





Malandro 7 Estradas. "Vulgarmente chamado de Malandro do Terno vermelho."

"Muitos são os caminhos, muitas serão as escolhas, o passo incerto, a falta de fé, a prova de fogo, o momento de expiação. Coragem, meus filhos, esse mundo sempre será para os que tem coragem. Superação e força de vontade sempre serão exigidos. Não esmoreçam, não deixem os inimigos ocultos, irmãos negativados, muito menos os demônios interiores, vencerem a batalha que pra vocês encarnados é constante. Escolham sempre o estudo, a caridade, a retidão, as boas palavras e o equilibrio. A Estrada é longa, a caminhada pode parecer lenta, mas grandes vitórias merecem bons guerreiros."
Malandro 7 Estradas.
"Vulgarmente chamado de Malandro do Terno vermelho."

Agradecimento a Zé Malandro da Estrada:

"Quando pisei na Umbanda pela primeira vez, nunca pensei que fosse me apaixonar pelas entidades de luz e muito menos pela Linha da Malandragem.
Tudo começou com um Zé Pelintra Quimbandeiro. Foi ele quem me mostrou o poder da Malandragem, a garra, a ginga, a história...
Hoje posso dizer que se estou de pé, é graças a Malandragem e ao meu Malandro de fé, Seu Zé Malandro da Estrada, que com sua alegria e compreensão sempre me socorre quando mais preciso.
Sou muito grata a toda a Malandragem pelo carinho que têm comigo e espero que eles continuem crescendo cada vez mais dentro da nossa Umbanda Sagrada."
Salva a Malandragem! 
Texto da amiga seguidora Jacqueline Malafaia, expressando toda a sua fé e amor pela umbanda, principalmente a Linha da Malandragem.

Um Jogador na Igreja:


Um dia eu fui a missa cumprir minha obrigação, por não ter um livro de reza, levei um baralho na mão. Eu tava dentro da igreja com meu baralho elevado e não vi perto de mim um sargento ajoelhado.

Com pouca demora na igreja foi entrando dois soldados chego pra mim e disse: "Moço o senhor ta intimado, o doutor mandou chamar para ser interrogado".
E logo que eu cheguei na presença do doutor ele foi me interrogando e me chamando de pecador e perguntou se na igreja é lugar de jogador.

Eu fui e respondi pra ele: "Vo faze a explicação, depois de bem explicado o senhor vai me da razão pois verá que em todo baralho tem a sincera devoção".

"É que quando eu pego no Ás que tem uma pinta somente, eu me lembro que existe um só Deus Onipotente, que quando chamamos por Ele, Ele está sempre presente.

Quando eu pego no 2, com gosto me lembro eu, que com duas tabuas de pedras o Criador escreveu, os 10 Mandamentos Sagrados pra salvar os filhos Teus.

E quando eu pego no 3? Pego com sinceridade, me lembro das três pessoas da Santíssima Trindade. Pai, Filho e Espírito Santo em um só Deus de verdade.

E quando eu pego no 4 de quatro paus encruzados, eu me lembro que com quatro cravo que Jesus foi cravejado, foi preso sem dever crime, morreu sem dever pecado.

E quando eu pego no 5 me lembro daquele dia de dor, das cinco chagas doidas que sofreu nosso Senhor, derramou todo Seu sangue pra salvar o pecador.

E quando eu pego no 6? Me vem na imaginação dos seis dias da semana na obra da criação, em seis dias Deus fez tudo sem em nada por a mão.

E quando eu pego no 7, me lembro a hora, hora triste magoada dos sete passos de Cristo na sua Paixão Sagrada, com sete espadas de dor, a Mãe de Deus foi cravada.

E quando eu pego no 8, que oito pintas contem, eu me lembro que não se deve armar falso de ninguém, quem arma falso dos outros perdão no céu nunca tem.

E quando eu pego no 9? Me vem na imaginação dos nove meses ditosos da Divina encarnação, que Jesus passou no ventre da Virgem da Conceição.

Quando eu pego no 10, não posso me esquecer, os Dez Mandamentos ficaram para o homem se reger. Quem cumpre os Dez Mandamentos não quer sua alma perder.

E quando eu pego na DAMA, me lembro da Virgem Maria, de certo não fosse Ela, de nos o que seria? Se Ela é a Mãe de Deus e do pecador na agonia

Quando eu pego no REIS, vem logo na minha memória que Jesus Cristo Poderoso é o Divino Rei da Gloria, que não precisa de força pra alcançar a Vitória.

E foi assim seu doutor, que na igreja eu fui rezar, agora eu to a suas ordem para que o senhor deseja. Ou me ponha na cadeia ou me deixe retira."

O delegado pensou, pensou não achou o que fala, viu que eu estava certo, e começou a pergunta porque razão eu deixava o VALETE sem conta.

"Ora seu doutor o VALETE é uma carta ruim, por isso quando eu compro um baralho no VALETE eu dou um fim, pois parece com esse sargento que veio da parte de mim!"

Seu Zé Pretinho do Morro

Olá amigos seguidores, hoje venho atender um pedido muito especial, o desejo de um filho de fé, afilhado do seu Zé Pretinho do Morro, vou falar sobre esse Malandro, seus mistérios, magias e boêmia.
Se Zé Pretinho é um Malandro de humor a meio termo, sempre tendendo a ser mais sério, fechado, é um dos sentinelas, um dos sombras, trazem nessa rica falange, homens de magia, homens que trabalham frequentemente com a energia da noite, na verdade são os os sombras da madrugada, poeira das estradas. É um Malandro imensamente confiável, quando vai resolver problemas dos devotos, fala diretamente, quando não pode ajudar ou modificar algo, também é direto, sem rodeios. Não é o tipo de Malandro que tem muitos médiuns, porque é uma falange rara, muitas vezes trabalhando astralmente com os médiuns, auxiliando outros Malandros e Malandras. Tem um ar que para alguns ignorantes parece sombrio, entretanto faz parte da sua personalidade e mistério. Sempre foi muito desconfiado, tanto nas vidas passadas, quanto após o desencarne, mas quando designa responsabilidades ao seu médium, espera o cumprimento dos mesmos, pois sempre cumpre seus acordos, honrando o que mais valoriza, sua palavra. Não trabalha com muitos Malandros, e apesar de todas as coisas que são ditas por aí, pode sim trabalhar independente das falanges Zé Pelintra, Zé Malandro, etc, já que a Falange dos Zé Pretinhos é uma Sub Falange da Malandragem. Entretanto, nas missões, nos sortilégios e fortalecimento de trabalhos, tem parceiros para acompanhar. Além do grande chefe da Malandragem ser um Zé Pelintra que não trabalha mediunizado. Seu contra ponto é a Malandra Maria Preta, mas quase não se encontram, normalmente ele trabalha pouco com mulheres em geral, raras são as pombagiras que conseguem entrar na sua freqüência vibratória, Malandras nem sempre conseguem, são raras as exceções.

As características e fundamentos dele, variam de terreiro e tem muito do Morro e Zé Pretinho, com informações independentes. Anseio em breve escrever mais sobre Zé Pretinhos de um modo geral.
Espero que o seu protegido tenha gostado do texto, um abraço seguidor Pablo 
Salve Zé Pretinho do Morro ! Salve a Malandragem !

Maria Navalha das Almas

Sabe aquela entidade que não baixa guarda, não atura otário e nem perde tempo com brincadeira ?
Seu nome é Maria.
Mas não é Maria vai com as outras não, é essência, fortaleza, é ordem, é corte, retidão, papo reto e caridade. Salve a força das moças que nos protegem. Sob o fio de Maria só caem os mentirosos, corta - se maldade, corta demanda, firma mandinga, abençoada de Oyá, menina dos olhos de Omulu, salve a força daquela que não teme a mal nenhum ...
"Foi na subida de uma serra, que eu a vi trabalhar,
junto com Zé Pelintra, para todo o mal levar.
Ela é uma Malandra de Fé, ela é uma Malandra de luz,
Ela é Maria Navalha, que não teme a mal nenhum..."
Salve a Senhora da noite, guardiã dos mistérios, cartadas e magias. Salve Maria Navalha das Almas, Linda Malandra e Rainha da Boêmia !
Essa fotografia foi concedida pela médium, que nos autorizou a postagem. Muita luz pra você Suiane Muniz e axé de Maria  
Salve a Malandragem !

Malandra Maria do Cais:


"Maria do Cais,
Na beira do Cais,
Sempre a espera de alguém.

Um dia Maria, como qualquer Maria,
Achou o seu bem,
Sonhou acordada,
Seu sonho de amor,
Despertou, não viu nada,
Sentiu-se enganada,
Maria chorou.

Vida perdida na vida que conduz ao nada,
Soma de dores e dores em cada jornada,
Um lenço branco que fica, um lenço branco que vai,
O triste adeus que indica,
Outra Maria que cai, ai, ai.

Quanta Maria aguardando esperanças no mar,
Quanta Maria afogando tristezas num bar,
Dois olhos sobre o horizonte,
Na luz distante e fugaz,
Na procissão das Marias,
Pobres Marias do Cais."

Triste canção de Maria, como sofrem Marias, mas como renascem aquelas que um dia misturaram suas lágrimas com as águas. A fluidez das águas, o confluir dos rios, o vai e vem das ondas exprimem com exatidão o trabalho das Malandras do Cais. Em especial Maria, que apesar do sofrimento, nunca se fez de coitada. Quanta força ressurge de uma filha das águas, quanta riqueza reluz das guardiãs de Iemanjá, Oxum e Nanã. 

Salve todas elas, senhoras do amor, o amor mais puro, o amor que transcende, o amor de nossos orixás, entidades e guias por nós.

Fé e luz para elas !

Salve Maria do Cais 

Interpretação de um Ponto Cantado de Maria Navalha: "Quem foi que disse que mulher não briga bem" :

"Quem foi que disse que Mulher não briga bem.."
(Poder das Malandras, evolução espiritual, defesas, demandas (ataques) aos inimigos negativados, mulheres vencendo o machismo de várias épocas).
"Quem foi que disse que mulher tem que chorar.."
(Mulheres fortes, mulheres guerreiras, mulheres que não se deixam abater, lutando por seus ideais, mulheres e a superação).
"Firmo meu ponto na folha da marambaia..."
(Marambaia em si não é uma folha, tem outros significados, o que mais se encaixa para o fundamento desse ponto, é o simbolismo com a planta "Cipó de Mil Homens". Por isso ela diz, firmo meu ponto nessa folha, ou seja, sou tão forte quanto qualquer homem).
"Corto demanda na Umbanda..."
(Maria defesa, Malandra que defende seus médiuns, adeptos, devotos. Cuida dos que tem fé).
"Me chamam Maria Navalha.."
(É por isso que me chamam assim, demorei para receber um nome na espiritualidade, mas fui honrada para receber esse, e é por meu trabalho que o mantenho).
***Marambaia em tupi-guarani significa literalmente: ¨cerca(paliçada)de guerra¨(marã+mbaia).
Espero que vocês tenham gostado !
Muito axé e Salve a Malandragem !

Aruandé - Edil Pacheco:


"Desliga do meu caminho, eu não entendo da coisa não,
Esta canção que canto agora, aprendi na empolgação,
De uma Roda de Samba, que vi na festa da Conceição.
E sem querer este lindo canto, se apossou do meu coração.
Aruandé, leva a tristeza lá pro fundo do mar,
Faz a gente sorrir, faz a gente cantar.
Aruandé, leva a tristeza lá Aruandé lá pro fundo do mar,
Faz a gente sorrir, faz a gente cantar.
Você entendeu camarada, que manjo de banhos, cartadas.
Somente porque me pegou, no Samba ajudando a moçada,
Seu mundo não posso dizer, desligue da minha jogada,
O que eu posso fazer, é lhe ensinar a cantar."

"Ela joga Baralho, puxa a Navalha e risca a faca no chão..."

Maria amolava facas no chão da terreira,
Em uma outra época, facões cruzados, defender os filhos na garra, era tanto homem bicho, bicho homem.
Parecia que a alma de Maria estava fadada ao sofrimento, corta xiquexique, mata a fome, se não a fome mata.
E a tua médium Maria, demora a entender como a vida ás vezes pode ser ingrata, obé de ouro e prata. Para quê ?
Maria é de fibra e de luta, faca é labuta, não escorre sangue de inimigo, escorre suor do rosto ao cortar o abismo, afasta te escuridão, cultiva humildade, busca sorriso, eleva teu pensamento, finda o inimigo.
Vence a si mesmo.

Obs: Este texto, assim como os outros, estão proibidos para cópias, sejam parciais ou integrais, sem prévia (expressa) autorização da autora. Não copie. Plágio é crime.

Minha gente do Morro - Candeia:

"Ontem estive no Morro,

E voltei chorando, meu povo sofrendo, 
Crianças penando... 
Morro sem Malandro, que já tem senhor (Vejam só) 
Disseram que compraram o Morro.

Estão derrubando os barracos de zinco,

Estão se acabando.
Pra morar no Morro tem que ser doutor, 
Mudaram o meu povo pra longe, bem distante.
Aonde Deus não faz morada, 
Que culpa tenho eu se nasci pobre,
Se não posso levar vida de nobre. 
Meu salário não dá se quer pra alimentar,
E as crianças não entendem o porque,
Que eu nada mais posso oferecer,
E nem eu posso entender,
Mais um dia,
Hei de ver o meu povo feliz à cantar."

Mensagem da Malandra Maria Navalha da Estrada:

"Muitos chamarão de loucura minha menina, não ligue pra eles. O que pra eles é loucura, pra nós é verdade. Só nós conhecemos nossos caminhos, as escolhas moldam trajetórias..."
Maria Navalha da Estrada.

Por favor, se copiar citar os créditos ao nosso Blog.

Pontos de Subida de Malandro:

Pontos de Subida de Malandro:
"Agora pro seu Morro vai subir, meu Deus ele já vai embora, conversa de Malandro não tem fim. Boa noite meu senhor, boa noite minha senhora."
"Adeus amigo, até outro dia, quando precisar você me encontra na orgia, se for feitiço, chama para resolver, mas se for por vaidade, me chama pra beber.." (7 Navalhadas do Morro, que me ensinou).
Malandras :
"Mas olha como é lindo o seu olhar,
Olha como é lindo o seu caminhar,
Adeus, adeus, madrugada já deu hora,
Dona Malandra se despede, diz adeus e vai embora."
E você, conhece mais pontos de subida de malandragem ? Manda pra gente 

O coração de uma Malandra:


"O coração de uma Malandra ás vezes é como uma caixa: Repleta de segredos."

Malandro Zé Pelintra da Calunga:


"Zé Pelintra desceu, Zé Pelintra baixou,
É ele que chega e parte a fechadura,
Do portão cerrado.
Zé Pelintra desceu, Zé Pelintra baixou,
É ele quem chamega, quem penetra,
Em cada fresta e rompe o cadeado.

E quando Zé Pelintra pinta na aldeia,
O povo todo saracoteia.
Aparta briga feia, terno branco alinhado,
Cabelo arapuá de brilhantina besuntado,
Ele do ovo é a porção gema, bebe sumo de jurema,
Resolve impossível demanda.
Homem elástico, homem borracha,
Desliza que nem vaselina,
Saravá à sua banda,
(Saravá, saravá)
É ele quem abre uma brecha,
Acende uma mecha no breu,
Desparafusa a rosca e seu cavalo sou eu."
Salve seu Zé Pelintra da Calunga ! Salve a força do seu Zé !
Salve a Malandragem e os Mestres da Jurema.

Malandra Maria Navalha da Calunga:



"Maria Navalha, ela chegou agora,
Quem quiser falar com ela, vá pro lado de fora.
Tremeu, tremeu, a catacumba já estremeceu."

Salve Maria Navalha da Calunga.

Ponto Cantado da Malandra Maria Rosa:


"Tava no jogo, ô Mulher. Tava jogando, ô mulher. 
Tava no jogo, ô Mulher. Tava jogando, ô Mulher.

Eu perdi tudo o que eu tinha, e sai chorando.
Maria Rosa, mulher da minha paixão.
Hoje Maria Rosa mora no meu coração."

🌹😃🔥😊🎲

Salve seu Zé Pelintra e a Malandra Maria Rosa !

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Mensagem do Malandro Zé Navalha:

"Seu Zé Navalha, eu tenho que reconhecer,
Se hoje eu tenho caminho, 
Eu agradeço a você ..."

Seu Zé Navalha, entidade com roupagem de um Malandro jovem, porém experiente. Sério, porém sábio. Muitas vezes temido por pessoas ignorantes, é um Malandro atuante nas defesas, cortes de demandas e equilibrador mental. Atua como doutrinador, recebendo ordens diretas da espiritualidade, tal qual um ordenado de Ogum. Normalmente se apresenta de forma tranquila, tendo o peso de suas palavras como sua maior característica. Seu contra ponto é a Malandra Maria Navalha, entretanto, eles não necessariamente atuam juntos mediunizados, gosta de tudo o que é forte, sobretudo caráter. Apoia e incentiva a força interior de seus médiuns, o não "deixar a peteca cair", o "dar a volta por cima". Se for para choramingar, volte 3 casas no tabuleiro. Melhor superar e enfrentar a vida de cabeça erguida, não há outra maneira.
Salve seu Zé Navalha !
Salve a Malandragem !


sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Edição - Falanges de Malandros - Malandros e Malandrinhos do Morro:

Olá amigos seguidores, dando continuidade a série de textos sobre falanges de Malandros, falarei sobre a Malandragem do Morro e seus fundamentos.
Os Malandros e Malandrinhos do Morro não são tão parecidos com as outras falanges, entre si eles divergem por questões de autoridade, hierarquia, fundamentos, conhecimento e principalmente formas de trabalho. Um Malandro do Morro tem um arquétipo de homem das "antigas", seus trejeitos tem humor variado, pode ser muito sério em algumas situações, e boêmio, galanteador em outras. Já um Malandrinho do Morro tem uma personalidade forte, de muita luta, mas sempre é marcado nos terreiros como uma figura alegre, festiva, simpática, não que este não realize trabalhos sérios, ele faz sim, mas continua com bom astral. Ambos tem seus momentos de companheirismo e pontualidade, contudo, os Malandrinhos quase nunca são fechados ou austeros. Minha analise sobre a personalidade deles, comportamento e roupagens fluídicas vem através de 7 anos de estudo, mas não são taxativas, existirão entidades diferentes em casas por aí.
Essa falange é muito comum no estado do RJ, não é a toa, os chefes da falange vem do RJ, os espíritos vem de muitos Morros, favelas, comunidades cariocas, trazendo suas histórias, memórias, culturas e trejeitos desses lugares. Os Malandros que se apresentam de outras formas, tiveram pouca vivência no Nordeste, construindo suas vidas no Rio, e/ou após a construção da falange, espíritos de outros lugares se afinizaram, por isso podem ter Malandros de outros Morros do Brasil, entretanto, a essência da falange remonta uma irmandade do RJ.
Eles são parecidos em seus gostos, indumentária, histórias, mas os Malandros são mais velhos que os Malandrinhos, tendo maior conhecimento, experiência e as vezes obtém autorizações. Raros são os Malandrinhos que estão no mesmo nível evolutório de um Malandro do Morro. Toda essa egregora espiritual se apresenta assim, por conta das vivências. Muitos Malandrinhos ainda estão galgando seu trabalho da seara umbandista, mas os que conheci, fazem de modo louvável.

Não é uma falange nova, mas constantemente abriga, ampara e cuida de novos espíritos, que trazem alegria, garra, luta e força de vontade aos seus médiuns. São entidades que agradam a todos nos terreiros, tem respeito pelos idosos, simpatizam com crianças, são parceiros de homens de bem e as mulheres ?

Essas são Rainhas na frente deles. São os mais amorosos, finos e corteses da Linha. Muitas tem carinho e devoção por eles.
Suas histórias são atreladas a cultura negra, a expansão, valorização, respeito e conservação das comunidades. São os Barões da Ralé, reis das favelas, becos e vielas, são a ancestralidade que correu pelas descidas e subidas no Morro de uma gente que ri, quando "deveria" chorar.

Sua forma de trabalho não varia muito, cuidam das famílias encarnadas, como se fossem deles. São essencialmente ligados aos seus médiuns e ao terreiro que estão trabalhando. Transmitem mensagens de conforto, ajudam em negócios, cortam vícios, demandas, pensamentos negativos. Ajudam mulheres em situações de violências, ainda mais agressão doméstica. Ás vezes trabalham para empregos, amor, amizades e raramente para saúde. (Gostam de ajudar nas questões emocionais).

Características:

Indumentária: Gostam das cores tradicionais na linha, vermelho e branco, porém, alguns podem usar a cor preta. Usam camisa listrada, camisa branca, calça branca, chapéu branco com fita vermelha, chapéu de palha amarela, não costumam usar chapéus grandes (com abas largas). Alguns usam bengalas (Firmeza, apoio e fundamento) e dentro da linha são os que mais utilizam cachecóis, pois são exímios capoeiristas.
Bebidas: Cerveja branca é a principal, mas podem beber outras coisas. Apreciam copos e tulipas de qualquer tipo.
Comidas: Salame, queijo coalho, linguiça frita, sardinha, entre outros.
Fumo: Fumam qualquer tipo. (Filtro branco, vermelho, palha, charutinho, charutos, etc).
Fundamentos: Baralhos, dados vermelhos, dados brancos, dados coloridos, punhal (cabo branco/cabo vermelho e branco),dominós, moedas, capoeira, cachecol, bengala, bolas de sinuca, navalhas, partido alto, samba de raiz, samba de roda, tampinhas de cerveja, números, jogo do bicho, velas brancas, velas brancas e vermelhas, velas pretas e brancas, entre outras coisas.

Espero que vocês tenham gostado!

Salve os Malandros e Malandrinhos do Morro!
Salve a Malandragem e muito axé !
onselectstart='return false'