Direitos Autorais

Todas os textos, sejam parciais ou integrais, fotografias e imagens de todas e quaisquer criações incluídas neste blog/site estão sobre a proteção da LEI DO DIREITO AUTORAL Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Portanto, é proibida qualquer reprodução ou divulgação das mesmas com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive WEB, sem prévia consulta e aprovação. Não copie! Entre em contato: priscilacartomante@hotmail.com

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Relação de Maria Navalha e outros Malandros.


Olá Seguidores, meus respeitos a todos.

É com muita humildade, zelo e cuidado que abordarei o tema; Antes de tudo quero deixar claro, que não sou a dona da verdade, e vocês tem o direito de discordar ou concordar com o que escrevo, acho interessante os que me mandam emails, uns discordam e apresentam argumentos. Agradeço muito a todos que me mandam email. Estou devendo uma postagem á uma seguidora, sobre o Malandro Camisa Preta, espero em breve conseguir escrever, me desculpe pela demora inclusive. Voltando a Dona Maria Navalha e os outros Malandros, vamos tentar desmistificar ás relações da querida Malandra de umbanda e "companheiros" da Linha.


Muitas são as histórias e estórias sobre as entidades, a Malandra Maria Navalha tem muitas publicações, não só aqui, mas em muitos lugares da internet. Existem poucas casas que estudam profundamente suas histórias e mistérios. Eu conheço ela há alguns anos, quando criei o blog, muito pouco se ouvia falar sobre ela, alguns á excluíam do terreiro, outros tratavam como pombagira, outros achavam que era mentira das médiuns. Hoje ela é popular, quase todos os terreiros cuidam de uma ou muitas Malandras, alguns cuidam corretamente ao meu ver, outros não, mas vai de casa para casa. Dentro do que é dito sobre a Navalha, algumas coisas são verdadeiras e claras, ela é uma entidade brasileira, diferente da Linha das Pombagiras, que abrigam falanges de espíritos de muitos países. Estudei por muito tempo sua personalidade, características, como não tinha coisas dela em livros, apostilas ou sites, comecei a observa-la, fiz amizades com pessoas que tinham ela, até que finalmente ela incorporou no meu humilde terreiro, foi a glória, achei ela magnifica, mas isso é coisa de filha de fé umbandista que sou, pois ela é muito simples. Durante os estudos, percebi que cada um escrevia que ela nascera em um lugar, portanto isso é muito relativo. Ela pode ter nascido na Bahia, Minas Gerais, Recife ou Rio de Janeiro, isso não importa muito, porém vamos adentrar os mistérios dela e dos outros Malandros.



Já ouvi dezenas de vezes pessoas falando que Maria Navalha é mulher do Seu Zé Pelintra, eu não desconsidero o carinho, gratidão que algumas tem por ele. Isso quer dizer que algumas Navalhas até o consideram, porém, isso não é universal, muito menos comum, como a maioria das pessoas acha. Eu conheci Navalha que mal cumprimentava seu Zé, trabalhava com outros Malandros, mas não com ele. Aí surgiam outras perguntas, então ele matou ela ? Então ela matou ele ? Viveram ou não juntos ?




Todas essas indagações são muito vagas, pois seu Zé aparece nas histórias da Navalha, mas sempre como o boêmio que a salvou, que lhe deu uma Navalha de presente. Eu acredito que é daí que surgem ligações entre ambos. Apenas isso. Se eles tiveram ou não um caso, quando encarnados, isso não importa mais, pois eles vem nos terreiros prestar caridade, ajudar pessoas e não para pensar no que foram ou fizeram. É por isso que eles não contam suas histórias, porque erraram muito e estão nos templos espirituais para ajudar ás pessoas, que muitas vezes podem estar no caminho do erro também.


Outra coisa que acho interessante e merece ser falada, é que antes da falange das malandras, vieram os Malandros. Seu Zé é um encantado, mestre, originário do catimbó, portanto, acredito eu que quando a Maria Navalha desencarnou, seu Zé ou outras entidades de umbanda a acolheram. Para que assim fosse resgatada e tivesse a chance de melhorar.

Agora voltando para a relação da Navalha e outros Malandros, é o que disse no texto anterior, entidades não namoram, entidades não se beijam, entidades se respeitam muito e trabalham juntos, para ajudar as pessoas. As Malandras trabalham em sua maioria, com Malandros que elas já conhecem, ou seja, a Malandra das Almas pode trabalhar com Malandros com nomenclaturas afins, como por exemplo, o Malandro da Calunga. Eles podem ter sido, amantes, amigos, pai e filha, comparsas, irmãos quando encarnados, e é devido a isso que podem trabalhar juntos.

Salve a Malandragem !!!!

Salve Maria Navalha !

Obs: Este texto, assim com os outros, estão proibidos para cópias, sejam parciais ou integrais, sem prévia (expressa) autorização da autora. Não copie. Plágio é Crime.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Relação dos Malandros e as Pombagiras.

Antes de falar da relação entre Malandra Maria Navalha, Seu Zé Pelintra e os outros Malandros; Vou falar sobre os Malandros e as Pombagiras.


Malandros e Pombagiras


É muito importante enquanto umbandistas obtermos estudos sobre as entidades, suas histórias, características, entretanto, alguns médiuns, confundem as coisas, ou mesmo, deixam - se levar por espíritos zombeteiros, que querem acabar com o trabalho e a seriedade destas linhas na nossa religião. Uma das coisas que vejo crescendo assustadoramente em terreiros, são médiuns que usam os nomes de suas entidades para "inventar", "fantasiar" com estórias, muito atípicas. Alguns o fazem, por negligência dos dirigentes, por terem irmãos de fé mais inocentes, por descuido, descaso e por caráter duvidoso. Eles vão fantasiando que entidades tem vínculos e assim vão se aproveitando. Por exemplo: O Malandro dele é " marido " da Pombagira dela (irmã de santo), a Malandra dela é "amante" do Exu dele, e por aí vai, infelizmente eu já ouvi esse tipo de coisa, é o cúmulo do abuso, absurdo e total falta de respeito com as entidades. Mas aí você me pergunta, poxa Priscila, meu terreiro é sério, minha dirigente é séria, a casa é firme, estamos todos fingindo ou mentindo? 

Eu vou explicar minha concepção desses vínculos, que fique claro aqui, que cada um ensina e aprende de uma forma, cada casa é uma casa, umbanda tem algumas coisas em comum com outras umbandas e por aí vai. Desde que prevaleça o respeito e a caridade, todos somos filhos de fé.

Eu acredito que podem existir ligações entre entidades e médiuns, entidades dos irmãos de fé, porém, se os malandros e as senhoras pombagiras tiveram romances em suas vidas encarnadas, após o desencarne, tudo se rompe, eles são apenas irmãos na lei de Deus (Olorum), que os criou, para passar por coisas juntos, celebrarem juntos e principalmente cumprirem missão juntos. 

Então, não existe nada de errado, eles trabalharem na mesma casa, terem como instrumento o mesmo médium, ou até médiuns próximos, em linhas opostas ( Malandragem x Exus ) ou na até na mesma linha (malandragem), que seja; Porém, eles não tem mais os desejos sexuais ou amorosos, como quando eram encarnados. Se tratarão com muito respeito e até um certo carinho, mas nada além disso. Podem dançar juntos, ele como cavalheiro que é, será cortês, galante, mais saberá, que é um espírito, em processo de evolução. Ela dama que é, ficará feliz, formosa e prendada, por ter um amigo, um espirito que lhe é leal, mas será a mais educada das mulheres, pombagiras são muito refinadas, pelo menos, as que conheci, algumas são simples, outras sérias, mas todas, são muito firmes em respeitar a lei e praticar a caridade.


(Pintura da Artista Maria do Carmo da Hora)

Se você entrar num terreiro e pombagiras estiverem "esfregando - se", "dando mole", "falando coisas estranhas para malandros, ou malandros falarem coisas que não condizem com a umbanda, fique com a pulga atrás da orelha, porque aí tem. Tem alguma coisa errada por aí, O Médium x falou que tal pombagira é mulher do malandro dele, está errado, a pombagira da fulana TRABALHA com o Malandro dele, pode TER TIDO um romance no passado deles, talvez, há uns 150 anos. 

Outra observação importante, entidades não gostam de contar suas histórias, pelo simples fato de seus médiuns confundirem as coisas, se gabarem por terem tal entidade, endeusarem a entidade, fuçarem na internet até ás últimas páginas do google, não é assim, meus amigos leitores, entidade demora muito pra falar de si, é doloroso, a maioria é embebida em sofrimento e eles estão na umbanda para corrigir seus erros, ou contribuir com seus médiuns. Tudo o que escrevo aqui é fruto de um trabalho muito grande. é estudo, conversas com entidades da minha humilde casinha espiritual, entidades de outros terreiros, amigos que tem as entidades, apostila, livro, sites de amigos, intuição e a entidade querer falar. Porque dependo deles, quererem ou não falar, contar suas histórias, e nas histórias NUNCA está incluída que a Malandra da Estrada namora o Malandro da Estrada, e os médiuns deles tem que namorar por causa disso, ou Malandro da Lapa e a Pombagira das Almas, e por aí vai.


Cantiga de Malandro:

"Boêmio que nem eu, tem que ter 7 mulher,
Uma anda perambulando e as outras 6 no Cabaré."

Ponto de Umbanda. Domínio Público.

Um Malandro ser boêmio, charmoso, ter ginga, força, até uma certa sensualidade, não está errado, ele realmente tem tudo isso, acompanhado de mutia simpatia, é galanteador, conquistador de mulheres, encanta á todos no terreiro, os filhos de fé muitas vezes encontram um amigo, um padrinho, até um pai que lhe falta, porém, ele jamais vai faltar o respeito.  

"Malandro é Malandro mesmo, malandragem,
E o otário, ele é otário mesmo."

Trecho da Música de Bezerra da Silva " Malandro encarnado".


Obs: Este texto, assim com os outros, estão proibidos para cópias, sejam parciais ou integrais, sem prévia (expressa) autorização da autora. Não copie. Plágio é Crime.
onselectstart='return false'