Direitos Autorais

Todas os textos, sejam parciais ou integrais, fotografias e imagens de todas e quaisquer criações incluídas neste blog/site estão sobre a proteção da LEI DO DIREITO AUTORAL Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Portanto, é proibida qualquer reprodução ou divulgação das mesmas com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive WEB, sem prévia consulta e aprovação. Não copie! Entre em contato: priscilacartomante@hotmail.com

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

A multiplicidade de espíritos da Malandragem num único médium:

Um (a) médium recebe em sua egrégora alguns Malandros e Malandras, e espiritualmente não existe uma regra limite, em relação a quantidade dos espíritos, o que existe são coisas básicas:

*Certificação que não é mistificação, processo anímico, com um médium que "quer" ter muitas entidades, para se mostrar, para inflar seu ego ou corresponder seus desejos de vaidade.


*Uma casa umbandista, que compreenda as relações cármicas, de médiuns e entidades.
*Quanto maiores os carmas, necessidade de aprendizagem específica, conjuntura de missão espiritual : Maior será a tua egrégora, variando por linha, por isso um médium pode ter (ou não) dois baianos, uma médium três pombagiras, algumas três ciganas, etc.
.
*O Espaço para o desenvolvimento das entidades é que faz a diferença, haverão terreiros que se recusarão cuidar de tantas entidades, mesmo sendo de umbanda.

*Em relação a outras religiões, isso pode se restringir ainda mais, como os irmãos da religião candomblé, que só permitirão um espírito trabalhar na esquerda, ás vezes, mas raramente dois, não fazendo distinção, se é malandra ou é pombagira, se é mestre ou Exu "Zé", tudo é colocado no mesmo balaio, e poucos espíritos serão desenvolvidos, estudados, permitidos, já que o foco é cuidar do orixá, sem outras ordens de incorporação. Para muitos zeladores candomblecistas, não faz diferença se você tem ciganas do oriente, malandras, malandro, Exu mirim, pombagiras, porque o foco é seu orixá, único que receberá cuidado integral. As raras exceções nos barracões de candomblé são os que permitem incorporação de duas entidades, porém, não serão diferenciadas. É a partir daqui que surgem médiuns que não sabem se incorporam Malandra ou Pombagira, não aprenderam a diferenciar, muitas vezes desconhecem que tem entidades de todas as linhas, etc...

*Em relação a quimbanda, existem Malandros trabalhando com quimbandeiros independentes, mas são poucos, tendo em vista que são milhares no plano astral. 
*As Firmezas na incorporação, tem papel fundamental, o médium poderá incorporar muitos malandros quando houver esse trabalho, mas todos serão diferentes, fundamentados, e obviamente bem incorporados.

Não precisa se rebelar quanto a isso, basta estudar, buscar saber, conhecer, entender. Nenhum conhecimento deveria ser limitado. Se um zelador recusa - se a ensinar, aprender, compreender as egrégoras de seus médiuns, não deveria em contrapartida, proibir essas pessoas de se cuidar aonde obtenham essência, necessária e apurada, sobre todas as falanges, egrégoras, grupos e linhas possíveis para desenvolvimento. Como ter sim, duas malandras (mulheres), dois malandros (médiuns homens), dois casais ou mais (comum com médiuns mulheres).

Seguir a intuição é primordial, nem todos serão assim, porém, os poucos que tem 2, 3, 4 malandros (ou até mais), não são loucos (as). A sagrada umbanda vem acolhendo, preparando e condicionando todos para o mais importante:

Caridade.



onselectstart='return false'