Seguidores

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Edição - Falanges de Malandras - Malandras da Beira do Cais, Cais e Cais do Porto.

Como prometi na postagem anterior, vou atender ao pedido de uma leitora da página do facebook e falar sobre Malandras do Cais.



Aqui temos três falanges com nomes diferentes, mas com o mesmo tipo energético e forma de atuação. As Malandras da Beira do Cais, Cais ou Cais do Porto são entidades afinizadas com o Mar, portos, feiras livres, estivadores e marinheiros, ou seja, essas entidades tem essa roupagem fluídica, na maioria das vezes por ter tido contato com esses lugares, essas pessoas, esses ambientes quando encarnadas. Isso não significa que não existam aquelas que receberam como missão terem essas falanges e nomes, sem nunca ter tido esse contato, mas isso é muito raro, tão raro, que distancia muito das suas vivências históricas. A maioria dos espíritos que compõem a falange, tem muita ligação com as águas, sejam por terem sido locais de transição, locais de trabalho (formal ou informal), moradia, encontros, desencontros e até desencarne.

As mulheres do Cais são eximias trabalhadoras na dor de amor, nas partidas, nas perdas, elas nos ensinam muito sobre a resiliência, ensinam sobre o aprender a perder, falam muito sobre o amor próprio, trazem consigo a força de grandes guardiãs que são. Um dos grandes exemplos é a sub chefe das Malandras que as precede e organiza, a Senhora Malandra Maria Navalha do Cais (sub-chefe), uma das primeiras falangeiras de Maria Navalha, sendo quem firmou os primeiros trabalhos na espiritualidade. Apesar dessa não trabalhar mediunizada, existem outros espíritos que atuam sob esse nome, juntamente com Malandra da Beira do Cais, Maria do Cais, Malandrinha do Cais, Malandra do Cais do Porto, Maria Navalha da Beira do Cais, Malandro do Cais (Dificilmente visto em terreiros), Marinheiros (Linha de Marujos da Umbanda), Zé do Cais e muitos outros.
A maioria dessas senhoras trabalhava no Cais, como atendentes em bares, prostitutas, cafetinas, cortesãs, cozinheiras, feirantes, e antes disso, foram obrigadas a serem escravas, naquela mesma região. Também houveram as que aprontavam desde pequenas, com furtos, golpes, vadiagem e enganos. Suas histórias são cercadas de tristeza, habilidade, superação, dor, aprendizagem, esperteza, força e coragem, as mesmas coisas que gostam de passar para suas médiuns. Normalmente nos terreiros se apresentam com humor a meio termo, já presenciei algumas sérias, mas a maioria é alegre, muito para cima, sempre com energia e ginga.
Atuam basicamente em questões amorosas, principalmente términos de relacionamentos, divórcios, vícios, protegem partidas, viagens, também trabalham em negócios, como boas negociadoras que são.
Normalmente suas médiuns são de Oxum ou Iemanjá, as vezes Nanã e raramente, muito raramente de Oyá. As médiuns que trabalham com elas, tem Oxum ou Iemanjá como primeira ou segunda Mãe.
Como já conheci de muitas formas, a indumentária varia um pouco, fundamentos também. Na maioria das vezes se parecem com as Da Estrada e do Cabaré, mudando um ou outro mistério.


Características:

Indumentária: Podem usar saias ou calças, conheço mais usando saias, principalmente as com roupagem fluídica de jovens. Gostam de saias estampadas, saias brancas, saias com babados, saias com fendas, enfim, uma infinidade de formas de roupa. Mas tem algumas que são mais simples, e também tem outras que não se importam com a roupa, porém, gostam de trabalhar com roupas soltas, confortáveis. Usam muito as cores vermelho e branco, mas podem usar preto, azul com branco. Também é algo que varia de terreiro para terreiro, entidade para entidade.

Bebidas: Qualquer bebida alcoólica, mas a cerveja é a sua preferida. Trabalham com o álcool potencializando energias e dissipando energias negativas.


Comidas: Comem quase todas as comidas da malandragem, mas gostam muito de sardinha frita, camarão e manjubinha.

Fumo: Cigarros de qualquer tipo, depende do trabalho, egregora, com quem vão trabalhar acompanhadas, se tem Navalha como nome espiritual (Exemplo: Maria Navalha do Cais), mas apreciam cigarros de filtro vermelho e cigarros de palha. Raramente fumam charutos.


Fundamentos: Dados brancos, Dados Vermelhos, dados azuis, chapéu panamá, saias com roda, saias com fenda, navalhas, búzios, moedas (principalmente antigas), e muitas outras coisas.

Pontos Cantados:


"Ela é Malandra, Malandrinha lá do Cais,
Quero ver você fazer, o que a Navalha faz .." (Domínio Público)

"Noite linda, noite de lua cheia,
As estrelas me guiam moça, na juremeira.
Ela é bonita, protetora das mulheres,
trabalhou no Cais,no pesado sim senhor.
Eu te pedi uma flor, ela me deu um jardim,
jogou fagulhas de luz, nos meus caminhos.
Até agora, esqueci de perguntar,
nas Estradas da vida,como posso lhe chamar ?
Ô Moça, Qual é o seu nome? Na Beira do Cais, sou Maria homem,
Moça qual é o seu nome? Na Beira do Cais, sou Maria homem." (Tião Casemiro)




*Curiosidade 1: Não existe uma Malandra chamada Maria Homem, porque esse é o apelido pejorativo que mulheres recebiam antigamente, ao fazerem coisas ditas serem "de homem", ou seja, mulheres que exerciam funções que até então eram tidas como masculinas. Mulheres masculinizadas, lésbicas, ou qualquer trabalhadora braçal que desafiasse as regras sociais da época era chamada assim, Exemplos: Usar calças, camisas de botão, fumar, lutar, jogar capoeira, sair a noite, ter amigos homens, carregar peso, ser amiga, amante, cliente de prostitutas, defender mulheres ou a si mesma, principalmente as mulheres da noite, possuir armas brancas, saber atirar, ser prostituta, beber, enfim, muitas coisas que mulheres não poderiam fazer, é dai que vem o Maria Homem. Eram como algumas foram conhecidas em suas vidas.

*Curiosidade 2: Caso exista alguma Malandra que goste de ser chamada assim, é nome usual, não é nome espiritual ou falange.

*Curiosidade 3: É raríssimo darem nome de Malandra do Porto, nunca vi. Normalmente é Malandra do Cais do Porto. Apenas para designar que realmente viveu nos Portos.

Espero que gostem !
Salve a Malandragem !
Salve as Malandras do Cais !

















onselectstart='return false'