Direitos Autorais

Todas os textos, sejam parciais ou integrais, fotografias e imagens de todas e quaisquer criações incluídas neste blog/site estão sobre a proteção da LEI DO DIREITO AUTORAL Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Portanto, é proibida qualquer reprodução ou divulgação das mesmas com fins comerciais ou não, em qualquer meio de comunicação, inclusive WEB, sem prévia consulta e aprovação. Não copie! Entre em contato: priscilacartomante@hotmail.com

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

As Faces de Maria: Malandra Maria Navalha


Aos que nos acompanham no Blog, ou pela página do facebook , poderão notar que essa é a última postagem sobre a série "As Faces de Maria", uma conjunção de textos que realizei, diferenciando as formas de Maria Navalha se apresentar nos terreiros de umbanda, com seus arquétipos, trejeitos e características. A última face é a origem de toda minha trajetória com minha guardiã, seus ensinamentos e o principal motivo para eu começar esse blog.

Depoimento da Autora : "Há 7 anos atrás eu ouvi falar desse nome, Maria Navalha, e já ouvi como Malandra mesmo, eu fiquei curiosa sobre ela, não tinha nada em livros, apostilas, o material era escasso, então por ordens da espiritualidade, por intuição, amor, carinho, gostar de aprender e ensinar, comecei a me aprofundar na busca por "Maria", comecei a ler sobre ela, copiar textos, procura - la em todos os terreiros, nas casas dos amigos, mas ela parecia tão distante, rara. Mesmo assim, não desisti, continuei minha jornada, após aprender um pouco com a Malandra do Cabaré sobre a linha das Malandras, aguardei ansiosamente o dia que Maria ia "incorporar" no meu terreiro, ela foi bem simples, depois da primeira vieram muitas outras, tanto Navalhas, quanto diversas Malandras diferentes. Eu tive contato com a minha através de um longo trabalho, faltava aceitação plena da minha capacidade mediúnica, faltava acreditar nas minhas entidades, faltou fé e acreditar que Maria estava nos meus caminhos, e queria me ensinar diretamente, com minha intuição e humildade.
Quando finalmente acreditei e conheci mais sobre a minha, tudo deslanchou, comecei a escrever mais sobre todas as Malandras, sobre a linha, mistérios, fundamentos, foi e é uma grande satisfação fazer parte da honraria de Maria, não me sinto sozinha, desamparada ou insegura, Maria me defende, me ensina, me acalenta, me encanta, me esclarece, me envolve com muito amor e luz, é assim que a falange da Malandra Maria Navalha trabalha, com imensa fraternidade e amizade com suas médiuns, existem muitas Marias, Navalha na nossa vida?
Só uma."

Priscila - Editora e Criadora Oficial do Blog Malandros e Malandras.


Sobre o inicio da Linha de Malandras eu escrevi algumas vezes, existia um texto sobre elas terem começado na década de 50, eu o escrevi, mas continham erros, coisas para serem lapiadas, por isso o apaguei, mas ele ainda circula na internet. Quando eu escrevi esse texto, eu estudava muito pouco sobre Malandras e Malandrinhas, e também não escutava minha intuição e os ensinamentos da Navalha da Lapa (minha mentora), por isso eu já desmistifiquei muita coisa sobre ele ao longo desses anos, mas plagiadores continuam copiando sem explicarem os fundamentos corretamente.
A linha realmente ganhou força há algumas décadas, pelos motivos expostos em outros textos aqui no blog, antes eram só consideradas como "Pombagiras", o termo Malandra demorou a se firmar, popularizar, ganhar respeito e ser objeto de estudo, também existiram tantas e tantas confusões, que eu escreveria o dia inteiro, e ainda faltariam horas.
O importante é que em quase qualquer terreiro existe um trabalho sério com respeito as Malandras e Malandrinhas, seus fundamentos estão sendo cada dia mais conhecidos, estudados e respeitados, elas não ficam sob a sombra de Malandros e Malandrinhos, mas atuam na mesma linha, com reciprocidade, gentileza e cordialidade. Os adeptos também perceberam que elas trabalham de modo independente, pois os fundamentos são parecidos, mas não exatamente iguais.
As Malandras trabalham com ginga, trazem sofrimentos em suas histórias encarnadas, mas trazem muita força de vontade, garra, fé, luta e enorme superação.
Tem como característica a determinação, empoderamento, igualdade e a compaixão, principalmente por nós mulheres, que tanto batalhamos todos os dias.
As Malandras são nossas amigas, são as guerreiras, as eximias lutadoras, que nunca irão esmorecer com uma ofensa ou calúnia, porque antes de tudo, são o que são, mulheres que tem orgulho de serem mulheres.
Características:

Indumentária: A mais variada possível, utilizam calças, saias, branco, branco e vermelho, preto e branco, preto e vermelho, camisas, blusas, chapéus de todos os tipos e também utilizam bengalas (só é mais raro). Variam muito no uso de jóias, algumas gostam, outras não, algumas utilizam anéis e cordões de são jorge, cordão de aço, flores no chapéu, tudo depende da entidade.

Bebidas: Cerveja branca, cerveja preta, Whisky, conhaque, gim, cachaça, cachaça com mel e muitas outras.

Comidas: Todas as Comidas da Malandragem.

Fumo: Cigarro de filtro vermelho, cigarro de palha, charutos, charutinhos, varia muito.

Fundamentos: Baralhos, dados, moedas, capoeira, sambas (samba de roda, samba raiz, samba de breque, partido alto, etc), bolas de sinuca, lenços, navalhas, punhais, naipe de ouros, entre muitos outros.

Eu espero que vocês tenham gostado,
Muito Axé para todos e Salve a Malandra Maria Navalha !

Obs: Este texto, assim como os outros, estão proibidos para cópias, sejam parciais ou integrais, sem prévia (expressa) autorização da autora. Não copie. Plágio é crime.


onselectstart='return false'