Facebook

Seguidores

terça-feira, 4 de março de 2014

♪ ♪ ♪ Pontos Cantados de Malandros e Malandras do Morro ♪ ♪ ♪


( Seu Zé Pelintra do Morro)

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪ 

Homenagem aos Malandros e Malandras do Morro - Pontos Cantados da Malandragem do Morro

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪ 

"O Morro de Santa Teresa está de luto, Porque Zé Pelintra morreu,
Ele chorava, por uma mulher, Ele chorava, por uma mulher
Que não lhe amava."


 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪ 

"De terno branco, seu punhal de aço puro,
O seu ponto é seguro,
Quando vem pra trabalhar,
Segura o nego, que esse nego é Zé Pelintra,
Na descida do Morro ele vem trabalhar."
(CD Zé Pelintra)


 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪ 

" Ás 4 da madrugada, ela me acorda e eu não quero nada,
Mas qualquer dia eu quebro esse, seu despertador,
Mas trabalhar eu não vou.
E quando eu venho descendo o Morro, a nega pensa que eu vou trabalhar,
Mas eu coloco meu baralho no bolso, meu cachecol no pescoço e vou pra Barão de Mauá.
Trabalhar, Trabalhar, Trabalhar pra quê?
Se eu trabalhar eu vou morrer."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪

"Seu Zé Pelintra não tinha onde morar,
Ele arrumou um Barraco de Madeira,
Foi Morar com a Padilha,
Lá no Morro da Mangueira."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪ 


(Maria Padilha)






 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  

"Ele subiu o Morro, só pra jogar rosas,
Ele subiu o Morro, só pra jogar rosas,
Seu Zé Pelintra jogou, seu Zé Pelintra jogou rosas pra ela,
Seu Zé Pelintra como vai, como passou,
Avise o movimento,
Maria Navalha chegou!
Ela desce o morro, também desce a colina,
Se quiser falar com ela, vai á primeira esquina."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪





 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪  

" Lá no Morro sim, que é Lugar de tirar onda,
é bebendo cachaça e fumando um bagulho,
E jogando ronda."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪


(Malandra do Morro)


 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪   

"Quando ela risca, seu ponto no Morro,
A terra come,
Quando ela risca, seu ponto no Morro,
A terra come,
E cuidado com a Mironga ,
Cuidado com a Mironga,
Da Navalha de Malandra."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪


(Maria Navalha)

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  

" Está vendo aquele Cruzeiro lá no Morro ?
Por ele Santa Tereza também chorou,
Se vestiu de homem pra fugir de emboscada,
Mas Navalha foi enganada por palavras de amor ."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪  

“Eu vou subir a colina, só pra ver o que tem lá em cima,
Lá em cima tem Jogo de ronda, pra gente jogar,
Lá em cima tem homem para namorar,
Lá em cima tem choro, de quem sofre para valer,
Lá em cima o coro come e ninguém vê,
É corujona, não se mete na vida de ninguém,
É Navalha, não é otária, trata todo bem.”

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪ 


(Malandrinho do Morro)

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   

"Zé Malandrinho do Morro, preciso de você pra me tirar de um sufoco,
A vida sem você não vale nada,
É Malandrinho, meu camarada.”

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   

"Ele desce o Morro, sobe a ladeira, ginga de malandro não é brincadeira,
Toma aqui Malandro,  o seu pandeiro, leve as mandingas deste terreiro,
     fique aqui Malandro, nunca vá embora, se você não ficar, o Terreiro chora."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪

(Autoria Igor Noguerol)

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪  

"Deu uma blitz no Morro, a polícia vem aí,
Malandro que é malandro se escondeu lá na Figueira,
Olha ele aí, olha ele aí."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  


(Seu Zé Pelintra do Morro da Mangueira)

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪

"Lá no Morro da Mangueira,  Eu vi seu Zé dançar, Cada passo que ele dava, tinha uma história pra contar! Na primeira a sua vida, E por onde ele passou, No segunda vivência, que daqui ele levou. Com sofrimento e dor, Seu coração se libertou, Nem por isso ele deixou de cultivar a humildade, pra seus filhos da umbanda, vem fazer a caridade, vem chegando, vem dançando, vem trazendo a sua luz, nem por isso ele deixou, de carregar a sua cruz, que são marcas tão profundas,  que a ele só conduz."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪





 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  

"É ave Maria no Morro,
Malandrinha está lá,
É ave Maria na Encruza,
Malandrinha está lá,
Ela abriu Portão de Ferro,
Malandrinha em qualquer lugar."


 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪ 

"Estava lá na beira do cais, uma moça bonita, ela bebia demais.
O navio apitou, madrugada fedia, lá na calunga pombagira gemia!
Só quem mora no Morro é que conhece os caminhos secretos,
É entrar por um beco, sair pelo outro e dar tudo certo .
Adoro ver a beleza daquele lugar,
Quem quiser vai lá, seu Zé vem de lá."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪   




 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪

Ponto de Subida da Malandragem do Morro:

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪

"Agora pro seu Morro Vai subir,  Meu Deus, eles já vão embora,
Conversa de Malandro não tem fim, boa noite meu senhor, boa noite minha senhora."

 ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪   ♪  ♪  ♪  
onselectstart='return false'