Seguidores

Rádio da Malandragem - Blog Malandros e Malandras;

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Edição - Falange de Malandras - Malandras do Cruzeiro, da Calunga, das Almas e da Figueira

Olá meus queridos seguidores, após um ano sem postar, voltamos com o blog =)

Eu como sempre, muito atarefada, não estava dando conta do blog e da página no facebook rs, somente agora em 2017, que pude retomar, e nada melhor para falar do que Malandras e Malandrinhas da nossa Umbanda Sagrada. Eu vou retomar as postagens sobre falanges de Malandra, explicando cada falange, com suas características e especificidades, é muito importante ressaltar, que não sou detentora da verdade, eu conheço uma malandra de um jeito, no seu terreiro pode ser diferente e por aí vai. Só é importante sempre pesarmos na balança da consciência, se aquilo que as entidades do meu terreiro fazem, condizem com a umbanda, umbanda da paz, do amor e da caridade. Umbanda com muitas vertentes, mas coisas únicas, como fazer o bem e trazer positividade aos seus adeptos. Axé pra todos vocês, chega de enrolar, vamos malandrear :)


Malandras (Do Cruzeiro das Almas, Da Calunga, Das Almas e Da Figueira) tem a personalidade um pouco parecida, através das giras de malandras em meu terreiro e em terreiros de amigos, pude observar, que Malandras destas falanges costumam ser em sua grande maioria sérias, pode ser que em um ou outro terreiro elas sejam falantes e mais abertas, mas normalmente não. Essas falanges tem ordem direta de Omulu, apesar de Malandras e Malandros serem entidades livres, toda falange de umbanda tem uma irradiação direta, inclusive linhas de ramificações "recentes" como Baianos, Ciganos, Orientais, Malandros e Mineiros. 

As Malandras dessa falange costumam trabalhar com navalhas, punhais, gostam muito de preto e branco, por ser atuação direta da sua falange, podendo entretanto trabalhar com outras cores. As Malandras dessa falange costumam ser as mais bravas, principalmente se cruzadas com a falange de Navalha (Ex:Maria Navalha das Almas, Maria Navalha do Cruzeiro), não gostam de erros de seus médiuns, cobram muito, porém, são muito amigas, independente do erro que o médium cometeu, raramente o "larga" a própria sorte, são capazes de entrar em lugares negativados, para salvar os que tem fé nelas, isso não é costume dentro da linha, nem todo malandro vai entrar numa casa cheia de quiumbas atraídos com os erros de seus médiuns. Quando bem incorporadas variam muito de atividade, já vi algumas que sambavam e depois davam consultas, outras que só davam consultas, dada a seriedade que vem delas. Uma das características diferentes que aprendi com essas falanges foi o uso do aço, não é toda entidade que usa cordão de aço, essas Malandras por influências antigas de quando encarnadas, por sua fé e aproximação com alguns Malandros de Ogum, podem utilizar guias de aço, cordões de aço, pois todos sabemos que aço não é destruído facilmente, aqui não está a questão da vaidade, mas a questão da proteção. Entre vestimenta, normalmente utilizam roupas escuras, calças pretas, camisas pretas, chapéis pretos, que podem ou não ser mesclados com branco/ou vermelho. Bebem cerveja, mas podem beber outras bebidas fortes, como coquinho, cachaça, etc. Raramente jogam baralho, mas quando jogam, tendem a ganhar, não costumam utilizar dados e baralhos para as consultas, porém seu fundamento normalmente está em dados pretos, brancos, transparentes, os naipes paus e espadas e dominós (Mas são raras que trabalham com dominó). Nas cartas sendo o Ás, o 3 ou 7, dependendo do trabalho a ser feito e do fundamento utilizado. Para oferendas, gostam de quase tudo o que a Malandragem come, inclusive sardinhas, ovo de codorna e salame. 

Espero que tenham gostado, muito axé das Malandras de Umbanda para vocês !

Salve a Malandragem !



onselectstart='return false'