Seguidores

domingo, 7 de maio de 2017

Dúvidas básicas que muitos tem:

Qual a história dá minha entidade ?
Resposta: A história pode ser psicografada, escrita por intuição ou não ser escrita. Tudo depende da entidade querer falar e autorização da espiritualidade. Nenhuma história de entidade só tem coisas boas, muitas tem grande sofrimento e diversas vezes os médiuns não tem maturidade para saber isso, por isso não é fácil conhecer vidas passadas de entidades. Também existe muita vaidade nos terreiros, então entidades se recusam a contar parte de suas vidas encarnadas.
Toda Malandra, Malandro é igual ? A História é igual ?
Resposta: Não. Cada entidade tem sua história, cada pessoa de uma entidade. Por isso existem terreiros com dezenas de entidades com o mesmo nome espiritual, falanges e formas de atuação. São apenas nomes recebidos na espiritualidade para seu objetivo maior: fazer a caridade.
Todos tem um padrão de casal por linha, então todos tem Malandros e Malandras, mas nem sempre ambos irão incorporar, devido trabalho realizado, a casa permitir, espaço para desenvolvimento, comprometimento do médium, dedicação, condições emocionais, espirituais e financeiras. Existem ainda pessoas raras que tem mais entidades, exemplo : 2 Malandros e 1 Malandra.

Médiuns homens : 3 Malandros e não incorporar Malandra. Médiuns mulheres : 2 Malandras e não incorporar malandro e por aí vai. Raramente homens incorporam Malandras, mas se a doutrina da casa permitir e o médium precisar trabalhar a energia feminina, ocorrerá a incorporação, o mesmo serve para as médiuns mulheres com os Malandros. A postura das entidades é a mesma.
O máximo de malandros por pessoa que conheço são 7 e nunca incorporam todos numa noite ou numa vida, depende do que foi acima citado. Muitos podem incorporar apenas um (uma) a vida toda, cumprir parte do seu carma com aquela entidade e viver sua vida espiritual em equilíbrio.
Cada história de entidade contada em livros, sites nunca vai ser dá sua entidade, pois quem escreve já está se baseando em entidades de pessoas específicas. Entretanto, as histórias sempre tem coisas semelhantes. Alguma coisa em comum todas as entidades tem, daí provém as ligações.

Não são todas as pessoas que tem Maria Navalha, ela é a mais comum por ser a chefe dá linha das Malandras, então tem mais espíritos com essa denominação, entretanto, existem centenas de falangeiras de outros nomes. A Navalha, a primeira da Linha é a Chefe das Malandras, obviamente essa não incorpora, mas existem outras falangeiras para a linha.
Exemplos : Malandra do Cais, Malandra Rosa, Malandra do Morro, Maria do Cruzeiro, Rosa da Lapa, Helena da Estrada e por aí vai. Há muitos anos escrevi textos sobre Malandras, ninguém acreditava nelas, falavam mal, hoje tem muitas nos terreiros, fico feliz ao ver o desenvolvimento dá linha. Os nomes das Malandras, assim como os Malandros não tem problema, o que gera confusão e problemas são as Falanges. Falange não se inventa, existe e ponto.
Falanges das Malandras: Estrada, Lapa (Pode ser Arcos da Lapa), Cais (Pode ser Beira do Cais), Cruzeiro, Calunga (Cemitério), Almas, Morro, Cabaré, Encruzilhada (Pode ser 7 Encruzilhadas).

Qualquer dúvida, estou a disposição.




Priscila  Idealizadora do Blog Malandros e Malandras.
onselectstart='return false'