Seguidores

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Malandra Maria Navalha do Cabaré da Lapa.


Malandra Maria Navalha do Cabaré da Lapa.


Ponto Cantado:

"Vem morar comigo?

Vem me ajudar?

Eu lhe darei carinho...

Se você deixar...

Mais Foi na Lapa,

Foi num Cabaré da Lapa,

Foi na Lapa, que a Malandra se criou,

Foi na Lapa, num cabaré da Lapa,

Que Maria Navalha encontrou seu grande amor."



Malandrinho das Almas


O querido Malandrinho das Almas, é um dos Malandros, que tive a Honra de conhecer, conheço pouco de sua história, trechos que foram sendo escritos a partir de relatos, quando o mesmo está incorporado.

Quando Encarnado o mesmo se chamava João Paulo, foi assassinado brutalmente com apenas 18 anos, desencarnou o João, mais nasceu o grande Malandrinho das Almas, ele é Novo, é faceiro, mais trabalha muito bem e realiza os trabalhos na espiritualidade com grande seriedade e dedicação.



Morou no Rio de Janeiro a maior parte da sua vida, aprendeu muito com a dureza que a vida ensina, passou por onde não devia, conheceu coisas que não prestavam, mais era o submundo, e depois de tantas dificuldades, as “facilitações” daquele meio, meio que fascinaram o “moleque”. Ele sabia que aquilo não era vida, e que o futuro poderia ser ingrato, mais ele queria mais a boêmia, curtia essa vida, cada minuto tinha que ser bem aproveitado.



Nas Giras de Malandros, nos Terreiros de Umbanda, por aí a fora, é sempre muito animado, muito elegante e principalmente muito querido. É um grande amigo mais de poucos, ele escolhe muito bem e sabe como tratar as pessoas, ainda mais as que merecem e as que não merecem. É brincalhão, mais está atento a tudo, vigia cada passo, e as palavras das pessoas ao redor dele, não se nega a responder as coisas, mais também quando responde, valha-me Deus, com todo respeito, responde tudo muito bem, e muito bem explicadinho.

“É quase um recado, tu não queria ouvir parceira, agora vai ter que escutar...”


Seus Gostos são muito apurados, gosta de tudo de bom gosto, e tem que ser bem feito.


Gosta de Cigarro de Filtro vermelho em especial, porém raramente gosta do filtro branco também.


Sua bebida favorita é o clássico da Malandragem, a cerveja branca de boa qualidade.


Suas cores são Branco e vermelho tradicionais, porém gosta muito das cores que representam sua origem, como o branco e preto ( devido sua ligação com as Almas ).


É um Malandro que gosta de Roda de Samba, mais também é "chegado" a um Catimbó.


Dentre suas comidas, estão a Sardinha Frita no Dendê, o Salaminho, o queijo coalho e a azeitona.Nisso ele é exigente, gosta da comida dele, sempre a postos.


É respeitoso com as mulheres, brinca, mais sem perder a elegância e charme, que faz todos o terem como bom amigo.


Pontos Cantados de Seu Malandrinho das Almas:

“Moleque perigoso era meu nome,
Na roda de baralho eu me criei,
Por causa de uma mulher perdi meu nome,
Por causa de uma mulher me regenerei.”

“Tava sentado no muro
Fumando bagulho, a polícia chegou,
Joguei o bagulho pro lado,
Saí no Pinote, ninguém me pegou,
Houve tiroteio, houve confusão,
Bateu na porta, o camburão.”



Cantigas de Umbanda - Domínio Público.

Salve Malandrinho das Almas !

Salve a Malandragem !

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Feliz Natal aos Seguidores do Meu Blog Malandros e Malandras :


Olá , queridos Seguidores do Blog Malandros e Malandras.

Resolvi fazer algumas postagens, pois entraremos  num pequeno recesso, do Blog, devido o fim de ano, não poderei realizar grandes pesquisas.

Espero retornar em breve.

Aos que gostam da Data . Um Feliz Natal.

Um Bom Fim de Ano a todos, 2011 foi o ano das decepções, porém foi um ano de empregos, quem queria emprego conseguiu, quem não conseguiu, talvez por que exigiu demais.A maioria dos Terreiros de Umbanda já realizaram suas Giras de Encerramento.

E nossas queridas entidades quando não estão em missão neste período do ano,protegendo seus fiéis, estão em seus locais de origem, ou mesmo realizando grandes trabalhos, lembrem-se a Espiritualidade não para, NUNCA!

Feliz 2012 a todos meus queridos Seguidores.

Bençãos dos Malandros e Malandras a nós todos.

Moderadora do Blog . Priscila A Cartomante.

Salve as Malandrinhas da Umbanda !



Malandrinho da Estrada :


Abandonado pelos pais, Malandrinho veio para o Rio de Janeiro ainda uma criança, onde conheceu uma cafetina, em um cabaré da Lapa, essa mulher que sempre sofreu pelo fato de não poder ter filhos, o criou, ensinando-o desde cedo,as malandragens da vida.


Ele Cresceu rodeado de mulheres, bebidas e drogas.


Amante da boa vida acostumado a ter tudo do bom, as melhores bebidas, os melhores cigarros e claro as melhores mulheres. Sempre muito galanteador, tendo aos seus pés todas as mulheres que desejava.

Mais uma por uma, em especial, Malandrinho se apaixonou se entregou mais nunca, deixando de lado a malandragem. Devido a isso, essa mulher o jurou de morte, justo a única mulher no qual entregou seu coração.


Durante um jogo de ronda, em uma noite tranquila, sob os arcos da lapa, malandrinho com 19 anos, mais já considerado o Rei da Malandragem, rei do jogo de ronda e das mulheres, foi surpreendido. Um tiro pelas costas foi o que aconteceu caiu um grande homem, "Malandrinho morreu". 





 "Ele a amou com todo seu pecado,

Naquela noite linda, Malandrinho foi jurado,
Que homem bonito, que homem formoso, mais ele é perigoso,
Num jogo de ronda, que ele nos deixou, foi por causa dela e do seu falso amor,
Um tiro pelas costas foi o que aconteceu, caiu um grande homem, malandrinho morreu.
Ó Umbanda linda, Umbanda de fé, você levanta minha gente, ele é o Rei do Cabaré".






Pontos Cantados do Seu Malandrinho da Estrada:

Foi, Foi num cabaré da Lapa,
Ô foi na lapa que Malandro se criou,
Veio de longe, sofreu bastante, mas foi na Lapa,
Que Malandro se encontrou.
Desde pequeno mostrou que era malandro,
Mais nesse tempo malandragem diferente,
Passou perrengue, perdeu os pais, porém, Ogum lhe levou pra aquele Cais.
Chegou aqui sem saber o que fazer,
Onde morar o que fazer para comer,
E pai Ogum colocou em seu caminho
Uma mulher que sofria sem carinho.
Foi crescendo, conhecendo a Malandragem,
Pouco a pouco conhecido na terra da vadiagem.
Ô Malandrinho na terra do malmequer, fuma, bebe, joga ronda mais conquiste essa mulher.
Ô Malandrinho tu é demais, quem te conhece não te esquece nunca mais.




Eu andava triste pela estrada,
Eu acompanhava uma voz a me guiar,
Continuei andando, parei na encruzilhada,
Eu então senti aquela voz a me deixar.
Era meia noite e o galo cantava,
De repente veio uma gargalhada pelo ar,
Em um piscar de olhos eu não acreditava,
Estava na minha frente, Malandrinho da Estrada.
Sambou, Sambou Malandrinho sambou,
No meio da Encruzilhada malandrinho sambou.

Autoria de Igor Nogueirol, um grande amigo, que me autorizou previamente, para esta reprodução.

Salve a Malandragem !

Salve  Malandrinho da Estrada !



Malandra Maria Helena ;


Salve a Malandragem !





Salve a Malandra Maria Helena !



Malandra Dolores :


Salve a Malandra Dolores !

Salve a Malandragem !

Sambas da Malandragem : Um Velho Malandro de Corpo Fechado



Um Velho Malandro de Corpo Fechado


Interprete e Compositor : Arlindo Cruz



Olha o samba aí de novo, 
Servindo de rima pro bem do meu povo, 
Saindo das cinzas sem ter se queimado, 
É o velho malandro de corpo fechado.

Olha o samba aí de novo, 
De peito aberto querendo passar, 
Mais forte que o tempo, quem sabe o infinito, 
E bem mais bonito pra gente contar (cantar).

O samba é retrato do meu ser, 
uma pintura, é um quadro de Debret, 
Um arrastão de paz, 
é o meu coração que quando bate faz o reviver da multidão.

por que meu samba é meu dengo, meu chamego, 
É meu sossego, é meu bem, meu bem querer, 
é tudo que eu quiser, o samba é meu lugar, é meu viver,
Sambar.





Malandra Odete :


Salve a Malandragem !

Salve a Malandra Odete !

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Sambas da Malandragem : Moleque Atrevido .



Moleque Atrevido

Composição: (jorge Aragão/Flávio Cardoso/paulinho Rezende)

Quem foi que falou,
Que eu não sou um moleque atrevido,
Ganhei minha fama de bamba,
No samba de roda,
Fico feliz em saber,
O que fiz pela música, faça o favor,
Respeite quem pode chegar,
Onde a gente chegou.

Também somos linha de frente,
de toda essa história,
Nós somos do tempo do samba,
Sem grana, sem glória,
Não se discute talento,
Mas seu argumento, me faça o favor,
Respeite quem pode chegar,
onde a gente chegou.

E a gente chegou muito bem,
Sem a desmerecer a ninguém,
Enfrentando no peito um certo preconceito,
e muito desdém.

Hoje em dia é fácil dizer,
Que essa música é nossa raiz,
Tá chovendo de gente,
que fala de samba e não sabe o que diz,
por isso vê lá onde pisa,
Respeite a camisa que a gente suou,
Respeite quem pode chegar onde a gente chegou.

E quando pisar no terreiro,
Procure primeiro saber quem eu sou,
Respeite quem pode chegar onde a gente chegou.



Joãozinho Navalha:


Joãozinho Navalha, é uma entidade que transita entre a Linha de Exu Mirim e a Linha de Malandros, na Umbanda,ou seja, ele pode se apresentar, tanto em uma , quanto a outra.Ele é um Malandrinho bem novo, rapazote, que trabalha na maioria das vezes com nossa querida Malandra Maria Navalha, é um pouco astucioso , e sempre trabalha, com segundas intenções, querendo coisas em troca.

É bem levado, e se não for bem doutrinado, pode perder todos os ensinamentos e a caridade, bem exercida na Umbanda.

Salve a Malandragem !

Salve Joãozinho Navalha!




obs: Eu escrevi este pequeno artigo, por intuição e sendo orientada pelos seres de Luz.

Sambas da Malandragem : Eu Vou Pra Lapa .




Eu Vou pra Lapa :

Composição: Claudinho Guimarães / Serginho Meriti 

Interprete : Alcione.

É ela a dama da noite 
Com muitos Janeiros no Rio
A plebe, a elite
Um convite a quem tá de role
Reduto de bambas, poetas, malandros
Boêmios, vadios
Tão considerada e na sua parada
Não pára mané
É ela


É ela a dama da noite 
Com muitos Janeiros no Rio
A plebe, a elite
Um convite a quem ta de role
Reduto de bambas, poetas, malandros
Boêmios, vadios
Tão considerada e na sua parada
Não pára mané


E toda vez que a noite cai
A luz se acende e uma vontade me arrebata
Eu vou pra lá
Eu vou pra Lapa


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


É a velha Lapa dos arcos do Centro
Do circo, do nobre Capela
A dama da noite, Carioca da Gema
Da Riachuelo e da Mem de Sá


É a nova Lapa das tribos do raps
Dos bits, dos hits e do tamborzão
De um Bar Brasil
Seu bonde é ruim de segurar


E toda vez que a noite cai
A luz se acende e uma vontade me arrebata
Eu vou pra lá
Eu vou pra Lapa


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


Vamo nessa, juntinha
E toda vez que a noite cai
A luz se acende e uma vontade me arrebata
Eu vou pra lá
Eu vou pra Lapa


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


Aos pés de Santa Tereza 
A um passo da Glória 
Eu vou pra Lapa 
Porque Lapa tem história


É a velha Lapa dos arcos do Centro
Do circo, do nobre Capela
A dama da noite, Carioca da Gema
Da Riachuelo e da Mem de Sá


É a nova Lapa das tribos do raps
Dos bits, dos hits e do tamborzão
De um Bar Brasil
Seu bonde é ruim de segurar






Malandro Camisa Listrada :


Quando lhe chamam de malandro, logo pensamos de uma forma pejorativa, ou seja, naquele que engana, rouba, etc.

A grande maioria direciona para o cenário ruim, mas quando falamos da linha de 

Malandros dentro da Umbanda não entendemos direito o que acontece, mas sentimos conforto, satisfação e segurança.

Vou expressar meu sentimento do que entendo por Malandragem, quando ocorre a manifestação desta linha e o sentido de seus trabalhos, estou amparado por meu irmão de LUZ, Seu Camisa Listrada, guia este que vem me acompanhando nos caminhos e sempre ensinando o que é VIVER.



Fiz o seguinte questionamento:

“O que é ser Malandro?”

Aguardei a resposta por alguns instantes, até que...

“É majestade!...

Questionamento complexo, mas tentarei esclarecer a nossa essência e entenderá que ser Malandro é muito fácil.”

Ser Malandro ou viver a Malandragem nada mais é do que:

Respeitar a sua Vida e a dos outros.

Gingar conforme a música.

Ter a mesma flexibilidade de um bambu em dias de vendavais, onde enverga, mas não quebra.

Respeitar seus limites, onde cada passo dado deve ser bem analisado.

Ser o responsável pelos seus atos.

Ter tudo e não ser dono de nada.

Valorizar tudo o que conquistar e ainda mais o que ganhar.

Saber dizer o SIM, NÃO, TALVEZ e principalmente QUEM SABE?

Não achar que sabe tudo, mas conhecer aquele que SABE.

Reconhecer seus verdadeiros amigos e principalmente os seus inimigos.

Enxergar um futuro promissor reconhecendo os fracassos do passado

Saber RIR de verdade, com gosto e com vontade.

Aproveitar cada instante que a vida lhe dá.

Ter honestidade no olhar, sinceridade em suas palavras e amar com o coração.

Resumindo majestade ser Malandro nada mais é do que saber VIVER.

VIVER E NÃO TER A VERGONHA DE SER FELIZ!




Por Danilo Lopes Guedes – amparado por Seu Camisa Listrada       

Salve a Malandragem!

Salve o Malandro Camisa Listrada!

Malandro José Pelintra do Morro Grande



Muitos me chamam de Malandro, aproveitador, enganador, até de Exu sou chamado! É os encarnados gostam de colocar muitas palavras na "boca dos mortos" o que nem sempre traduz aquilo, que nós deste lado de cá, da vida realmente somos.

Mas como nossa Umbanda já passou de seus 100 anos, resolvi agora dar a minha palavra para "fechar" um pouco a boca daqueles que muito falam da Umbanda e suas entidades, mas infelizmente nada sabem da mesma e muito pouco de nós.

Quando falamos de "malandros", logo nos lembramos daquele que leva vantagem em tudo na vida, enganando, mentindo e se aproveitando da boa vontade dos que são conhecidos como mais fraco o que eu José Pelintra diria "menos informados e preparados em sua fé"!

Para quem tem uma mente doentia este seria o melhor adjetivo para os malandros, mas nas próximas linhas "camarada" vou lhe mostrar o "outro lado da moeda".





Um verdadeiro malandro sabe:

Driblar os obstáculos que a vida lhe impõe com um sorriso e confiança em Deus, pois se tudo na vida tem começo e fim inclusive nossa passagem neste mundo, suas dores não são eternas. Sorrir quando tudo é alegria é fácil, ele já nasce na face, mas sorrir e ter fé quando as coisas andam meio "de lado" ao só para quem tem ginga.

Malandragem não é se julgar coitado esquecido de Deus e dos Orixás, é mexer-se, fazer a diferença, ir a luta. Tombo meninada foi feito para se levantar e continuar adiante e ficar esperto onde "se coloca o pé", pois tem muito "malandro pisando em cova" em trocadilhos, "tem muita gente escolhendo um caminho mais doloroso para seguir" e consciente.

Malandragem é saber seu limite, onde se deve parar e não querer mostrar para os outros os que não são e o que não se tem. Deus minha gente criou todos iguais, com as mesmas possibilidades. Na vida não tem "jeitinho", tem é atitude de buscar melhorar-se cada vez mais de aprender a viver e ganhar maturidade. “Só" ensina quem já aprendeu e não quem ainda esta na primeira série"




Muitos me criticam pelas minhas vestes brancas e trazem seu coração escuro pelo preconceito vacilo de quem se julga superior a todos e segue uma verdade que nem ele mesmo conhece.

Muitos falam de meu punhal, mas cortam e ferem seu semelhante com suas palavras todos os dias dentro e fora de seus lares e o meu punhal "malandro" só corta demanda.

Na minha imagem "figura" o branco simboliza como dever ser nosso interior, ou seja, LIMPO!

Minhas mãos juntas simbolizam a fé que infelizmente de Aruanda vemos poucos "aqui em baixo" praticá-la em qualquer credo.

O livro em meus pés significa que para crescer é preciso conhecer-se a si próprio.

O vermelho de meus adereços simboliza a vitalidade a alegria que todo bom "malandro" deve ter para encarar os problemas que ele mesmo cria em sua vida.

Muitos falam, poucos conhecem! Muitos julgam poucos compreendem! E assim caminha a nossa Umbanda esclarecendo e lutando para com muita "malandragem" e muita ginga ganhar seu espaço.

Santa figura ninguém é, então que cada um reflita antes de julgar...

“Sou santo ou demônio?
Justo ou pecador?
Tira isso da cabeça meu menino!
Sou ZÉ PELINTRA
Malandro da luz e sirvo a nosso Senhor"

Seu Zé Pelintra quando vem,
Ele traz a sua magia,
Para salvar todos seus filhos e retirar feitiçaria.

Saravá Malandragem!

José Pelintra do Morro Grande

Mensagem recebida por Géro Maita


onselectstart='return false'