Facebook

Seguidores

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Malandro Zé Mulatinho da Estrada;


Seu Zé Mulatinho da Estrada,é um Malandro que infelizmente não conheço muito,uma das leitoras de nosso blog ,me solicitou pesquisas sobre ele,após uns meses,de dedicação,tive de chegar a conclusão,que ninguém ,nem em livros,nem internet,nem na na nossa religião ( a querida Umbanda),conhecem este Malandro,eu peço encarecidamente,que se alguém sabe algo,me mande um email,assim poderei compartilhar algo sobre ele.



Mesmo sem o conhecer,tive intuição de escrever algumas palavras sobre ele,acredito no sexto sentido ,e bom ,estou escrevendo estas palavras com amor  que sinto pela malandragem!

Seu Zé Mulatinho,era um tipico boêmio,querido por muitos,odiado por outros tantos,fora muito invejado,sua história é coberta de acontecimentos marcantes,ele é o amigo dos homens,querido por mulheres,mais sempre muito cavalheiro,teve pouco tempo na terra,mais aproveitou muito bem.


É um Malandro incomum,poucos terreiros tem ele,e raro são os médiuns que trabalham com este malandro.

Gosta de trabalhar pra negócios,finanças e abrindo os caminhos dos que procuram sua ajuda,ele sempre ajuda os que tem fé,e nas estradas da vida ilumina os passos dos filhos de fé.


" Eu vinha pela rua,sem rumo,sem caminho,
chorava por um homem,que me prometera amor e carinho,
esse homem me disse ,pra eu esquece-lo,
esse homem perfeito,boêmio faceiro,
era seu Zé Mulatinho. "


 Salve o Malandro Zé Mulatinho da Estrada.


Malandra!



" Dona Malandra , você tem que ser minha,

Com a Licença de Oxalá, a Senhora é uma Rainha ."



"Malandra estou cantando em seu Louvor,

Na Barra da sua Saia,corre água e nasce flor ."


Pontos de Umbanda .


Malandro Zé Navalha;


Mensagem do Sr Zé Navalha

Boa Noite senhores da noite e do dia, das ruas vazias e das avenidas lotadas,


Que ganham a vida balançando nos coletivos,


Em meio à pobreza aparente que é material, Mas nunca de espirito.


Andamos nos meios onde somos chamados


Desde a Encruzilhada até o Campo Santo,


Da Ferrovia até a Ladeira.


Da rua asfaltada à estrada de terra,


Sou Malandro e quem não é,


Viver é malandragem pura, no bom sentido,


Na Fé da Oração a Nossa Senhora à Mironga do Candomblé,


Sentado à beira do Cruzeiro oro pelas almas que estão a pé,


Sem rumo na vida depois da vida,


No meu paletó branco, no lenço vermelho,


Enxugo uma lágrima sofrida e meu chapéu tiro àqueles que lutam,


À mãe solteira, à mãe abandonada, pela criança órfã,


Aos doentes que se curam na Fé,


Aos que vivem nas periferias na Fé da labuta na noite e no dia,


Tiro meu chapéu àqueles que na sua Fé fazem o bem onde quer que seja:


Sou Zé,


Sou Maria,


Sou Negro,


Sou Branco,


De Punhal, de Navalha e até Rosa e Cravo na mão,


Estou na luta no lado de lá, não facilito nada, apenas gingo,


Pra lá e pra cá e passo no jogo de cintura pela vida apertada.


Estou aqui para te escutar, te entender e mostrar que rumo tomar


Vou na Fé, na sua, na minha, na de Deus, mas vou, sempre…

Mensagem ditada por Sr Zé Navalha

Psicografada brilhantemente por   Rafael Martins Marcondes







Imagem n º 1 do acervo de Malandro carioca.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Malandro Trabalhador ;





Ele é malandro por ser trabalhador ,
Tem um chapéu de panamá,
Um terno branco, e um anel de doutor,
Tem o seu nome na glória,
Por tantas vitórias que Oxalá determinou,
Fazer o bem, sem olhar a quem ,
Se você tá perdido ele vai lhe mostrar o caminho do bem.






Ponto Cantado retirado do Blog: Pontos de Umbanda.


2ª Imagem pertencente a Malandro Carioca.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

♪ Pontos de Malandras e Malandrinhas na Umbanda ♫ :

 


Pontos de Malandras e Malandrinhas na Umbanda:

Malandra Maria do Cais ou Maria Navalha do Cais (ou Maria Navalha da Beira do Cais):

Noite linda, noite de lua cheia
As estrelas me guiam moça, na juremeira.
Ela é bonita, protetora das mulheres,
Trabalhou no cais, no pesado sim senhor,
Eu te pedi uma flor, ela me deu um jardim,
Jogou fagulhas de luz, nos meus caminhos até agora,
Esqueci de perguntar nas estradas da vida,
Como posso lhe chamar, ô moça,
Qual é o seu nome na beira do Cais, sou Maria homem,
Moça qual é o seu nome, na beira do Cais, sou Maria homem.

Interprete: Tião Casemiro.

Pontos de Maria Navalha:

Ela é Maria Navalha moço,
Ela é Maria Navalha sim senhor,
Ela vem de dentro da sua morada,
Passou pela encruzilhada,
E aqui chegou.

 ♪

Ela é Maria Navalha
Mora na beira do cais {bis}.
É mulher de Zé malandro,
Zé pelintra e outros mais. {bis}





Ela é malandra, não precisa trabalhar, 
Maria Navalha "bota"tudo em seu lugar, 
Deu meia noite na Encruza, acende a vela, 
Maria Navalha é a bamba da favela!




Ela é mulher, ela é bonita e formosa,
mais não se engane ela é muito perigosa,
Traz um sorriso no rosto e uma arma na saia,
Seu nome é, é Maria Navalha.






Mulher de Malandro tem nome, e se conhece pela Saia,
Vara Curta e Onça brava, ela é Maria Navalha.

 ♪

Navalha ganhou um gatinho, pra dividir com os camaradas,
Faca de ponta é sinal de guerra, ela é Maria Navalha,
Ela risca mais não erra..

 ♪


Não mexe, com quem não deve, pensando que não faço nada,
Matei meus 33 maridos no meio da Encruzilhada,
Para vocês eu sou Maria, pro malandros eu sou Navalha,
Não mexe com quem, não deve que meu castigo e dar risada.


Maria Navalha
Trabalha como quer
Ela trabalha com sua navalha
Maria Navalha é mulher.


Maria Navalha disse: Cuidado para não errar!
Ela jurou,jurou ,tornou jurar
Que mata sem tirar sangue
Engole sem mastigar!


Foi numa mesa de bar,
Numa mesa de bar,
Que Maria Navalha trabalhava,
Ela trabalhou, ela trabalhava,
Maria Navalha é mulher da madrugada!


Dizem que se perdeu,
Onde será que se meteu,
Fez história na Bahia,
Dizem que até nasceu por lá,
Esta linda Malandrinha,
A Maria da navalha,
Ela prefere a multidão,
A viver na solidão,
Parece que foi destino,
Que a colocou no meu caminho,
Mulher você é um tormento,
Que não sai do meu pensamento,
Eu sou Zé Pelintra,
O teu amante e companheiro.


Ô Anália,
Cadê Maria Navalha,
Ela é moça bonita,
Que se veste com sete saias,
Eu a procuro, mas não vejo,
Cadê Maria Navalha?


Quem foi que disse que mulher não briga bem,
Quem foi que disse que mulher tem que chorar,
Eu firmo meu ponto na folha da Marambaia,
Corto demanda na Umbanda,
Me chamam Maria Navalha.


Não mexa com essa mulher,
       Cuidado, cuidado seu Zé,
Não mexa com essa mulher,
Se você pisar devagarinho,
Ela abre seu caminho,
Ela abre seu caminho.
Mas se você debochar,
Maria Navalha bota pra quebrar,
Mas se você debochar,
Maria Navalha bota pra quebrar.


Ela é Malandra,
Malandrinha lá do cais,
Quero ver você fazer,
O que a Navalha faz,
Quero ver, quero ver.


Ela Traz No Peito Uma Navalha,
 Na Mão Uma Garrafa De Cerveja, Para Ela Beber,
Ela É Malandra, Ela Gosta Do Perigo, 
Nos Cabarés Da Lapa, Ninguém Se Mete Com Você.
 Mas Cuidado Com Ela, Pois Ela Te Corta E Ninguém Vê. 
Ela É mulher, ela è Navalha.


Ô Navalha, ô navalha, o teu poder não falha,

Vivia numa tristeza sem fim, Maria Navalha teve dó de mim!

Hoje voltei a sorrir, por isso estou aqui...

Ô Navalha, ô navalha o teu poder não falha, em Navalha eu tenho fé,e aí quem não tiver,é uma 

Malandra de Axé, não duvidem do poder dessa mulher.

Ô Navalha, ô Navalha, o teu poder não falha."

(Rosana Pinheiro)




Em Navalha tenho fé,
Ai de quem não tiver,
Ela é Mestra da Jurema,
Não duvide dessa mulher.


Eu visto preto por luto e branco por simpatia ,
O verde é a esperança, de viver feliz um dia, 
Não chore, mais se chorar, fique chorando,
Eu trabalhei tanto na vida, pra você ficar zombando!
 A minha cama é um pedaço de esteira, a minha luz é um pedaço de vela,
Quando eu ia me deitar, acendia na janela.





Maria Navalha, Malandra,

Maria Navalha, eu venho é te saudar,
Maria Navalha eu venho é te saudar
Salve a sua força mulher, Salve o seu Juremá,
Ela é Maria Navalha, eu venho é te saudar.






Estava no salão de baile e de repente, ouvi um  boa noite,

Ô gente que homem é esse? É o Zé pelintra dando boa noite! Ô gente que mulher é essa? Maria Navalha dando boa noite!






Ele subiu o Morro, só pra jogar rosas,

Ele subiu o Morro, só pra jogar rosas,
Seu Zé Pelintra jogou, seu Zé Pelintra jogou rosas pra ela,
Seu Zé Pelintra como vai, como passou,
Avise o movimento,
Maria Navalha chegou!
Ela desce o morro, também desce a colina,
Se quiser falar com ela, vai á primeira esquina.





Malandra, malandrinha,
Da cor brasileirinha,
O seu gingado me enfeitiçou,
Quando ginga as cadeiras,
Essa morena faceira,
Alivia minha dor,
Ela tem força na magia,
E não é de brincadeira,

Desafia feiticeiro,
E bota fogo no paiol,
A morena juremeira,
Derrubou cabra safado quimbandeiro,
Só no rabo de arraia,
Toma cuidado com ela,
Ela  esconde uma navalha,
Na barra da sua saia,

Rainha de ouros,
Com ela ninguém se mete,
Ela é Maria Navalha,
Malandrinha de terreiro,
A morena bola sete.


  ♪


♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ ♥ ♠ ♣ ♦ 



Quando a demanda é certa

É a ela quem chamamos

Sua força nos empresta

e essa briga, já ganhamos


Seu nome é Maria Navalha

Soberana da boêmia

Vence qualquer batalha

Sem perder a alegria.




Maria Navalha, eu preciso de auxílio.
Minha vida tá difícil e prá lá de enrolada.
Tô sem paz e afundando em desvario.
o que me é difícil, para ti é gargalhada.

Me ensina o caminho da vitória,
me ajuda dar a volta da guinada.
Quero prá mim uma nova história,
mais bonita de ser contada.






Estes Lindos Pontos Cantados em Homenagem A Dona Maria Navalha, são da Autoria da Brilhante Claudia Baibich.


E Foram retirados do seu site : http://wwwpombagira.blogspot.com/, ao qual inteiramente recomendo;




  ♪ Ponto de Malandra Maria Navalha do Cabaré:




Cabaré na lapa fica até de madrugada,
Maria Navalha espera o dia clarear,
Já chamou seu Zé Pelintra, já chamou seu Zé Pretinho, seu Marinheiro, também vem de alto mar...
É na lapa, na lapa espera o dia clarear.



Malandro é Malandro, Mané é Mané,
 Eu sou Maria Navalha,Rainha do Cabaré ,
Quando eu chego no Terreiro, Risco meu Punhal no chão, 
Saravá Maria Navalha, sou Mulher de Opinião.




Navalha não se esqueça de mim, por favor, Oh, Oh, Oh

Hoje eu acordei com uma dor no peito estava tudo perfeito você sempre dava
um jeito, de repente tudo desandou O homem que eu amava me esqueceu me humilhou; E para piorar eu fiquei desempregada estava na rua da amargura e morando em uma calçada; Maria navalha eu te peço te suplico não esqueça eu brinquei e hoje pago a brincadeira Navalha não me esqueça hoje eu sei que a Senhora não é de brincadeira; ♪




Ela usa uma navalha afiada no peito
E esconde 6, debaixo da sua saia, Quem mexe com essa mulher, Não sabe que ela é uma desgraça, Ela é fogo que queima,só que ninguém vê;mais é a amiga perfeita Pra quem sofre sem crê.




Malandra a sua cor é mulata, seus Cabelos são negros, e você samba Sem parar.Você jurou acabar com a Minha tristeza,fazer voltar a minha Nega, malandrinha só você.Posso Cantar,posso sorrir,posso chorar ou Ser feliz mais malandrinha sem você Eu não sou nada.




(Pontos de autoria da minha amiga Tatiane)


♪ 

♪ Ponto Cantado Malandrinha da Rosa Vermelha:




Ela é a moça, que vem da encruzilhada

Perfumando os caminhos
Vem aqui pra trabalhar ...
Rosa Vermelha, põe rosas nos caminhos
Mais são rosas sem espinhos Pra que eu possa caminhar...  Rosa Vermelha, trabalhou já vai girar O perfume da tua rosa Deixa aqui no meu gongá...

♪ 









Estava lá na beira do cais,
uma moça bonita ela bebia demais.
O navio apitou, madrugada fedia,
lá na calunga pombagira gemia!

Só quem mora no morro é que conhece os caminhos secretos
É entrar por um beco sair pelo outro e dar tudo certo .
Adoro ver a beleza daquele lugar
Quem quiser vai lá, seu Zé vem de lá!

♪  Ponto de Maria Navalhada:

Vai beber, vou farriar,
Pra policia me levar {bis}
Moro na Casa Amarela,
Lá nas sete Encruzilhadas,
Quem quiser sabe meu nome
Sou Maria Navalhada.


 ♪  Ponto da Malandra Do Cabaré:

Bebo Porque Tenho Cabeça,
Só Vou Pra Casa,
Quando O Cabaré Se Fecha,
Se Aquele Homem,
Chegasse Aqui Agora,
O Cabaré Se Fecha,
E Eu Nem Vou Pra Casa Agora!


Vem Morar comigo, vem me ajudar,
Eu lhe darei carinho, se você deixar...
Foi na Lapa, foi num Cabaré da Lapa,
Que a Malandra se criou,
Mais foi na Lapa que encontrou seu grande amor.


 ♪

Quem com ferro fere, com ferro será ferido,
A Malandra tem na mão o coração dos inimigos,
Quem com ferro fere , com ferro será ferido,
A Malandra traz com ela a sorte dos inimigos.



 ♪


 Seu moço me abra a cerveja,
 Que eu não posso passar sem beber,
 Eu bebo, eu fumo, e jogo,
 E depois vou trabalhar pra você!



 ♪

Pega o pandeiro, malandro que ela chegou,
E na roda de samba ela é bamba,
Ela já chegou,
É MALANDRINHA no terreiro,
Ela já chegou,
Segura a pemba que ela vem,
Ela já chegou.



Olha quem vem da Lapa, de cartola branca,
Olha quem vem da Lapa, de cartola branca,
Ela é Malandrinha, ela é Malandrinha,
Com sua navalha, seu ás no bolso e de bengalinha.



Malandragem, malandragem meu,
Oi segura essa Malandra, que ela não bambeia,
Ela não bambeia, ela não bambeia,
Oi segura essa malandra, que ela não bambeia.



Tá vendo aquele, Cruzeiro lá no Morro,
Por ela Santa Teresa, também chorou,
Se vestiu de homem, prá fugir de emboscada,
Mas Malandrinha foi enganada, por palavra de amor.



Ela é Malandrinha,
Com seu Baralho, joga com os compadres na Colina,
E com sua Navalha, ela trabalha na magia,
Cuidado malandro, que na malandragem,
Ela é Malandrinha.



É ave Maria no Morro,
Malandrinha está lá,
É ave Maria na Encruza,
Malandrinha está lá,
Ela abriu Portão de Ferro,
Malandrinha em qualquer lugar.


Malandra Tava Doente,
Tava com uma Doença Brava,
 Seu Zé deu dinheiro pra comprar remédio,
Mais a Danada bebeu tudo de cachaça...
Lé, lé, lé ô, ela bebeu, ela bebeu, tudo de cachaça.



Quando ela risca, seu ponto no Morro,
A terra come,
Quando ela risca, seu ponto no Morro,
A terra come,
E cuidado com a Mironga e,
Cuidado com a Mironga,
Da Navalha de Malandra.







Olha o Pagode no Morro,

Ô Malandrinha, chamou Maria Navalha Ô,
E seu Zé Pelintra ela chamou, chamou
E seu Zé Malandro ela chamou, chamou
E Zé Pretinho ela chamou, chamou
E Malandrinho ela chamou, chamou…
Olha o pagode no morro MALANDRINHA Ô,
Também tem festa na Encruza, Malandragem Ô,
Chama as Pombagiras MALANDRINHA Ô,
Tá faltando a Sete Encruzilhadas Ô,
E Figueira já chegou Ô,
E D. Estrada onde está Ô.



♪  Ponto da Malandra Rosa do Cabaré:



É Rosa, É Rosa, É Rosa, É Rosa que ninguém tem,

Aqui chegou Rosa Malandra da porta do Cabaré.


Na hora grande ouvi uma gargalhada,

Desce a ladeira, ela é mulher de encruzilhada,
Salve a vigia, meia noite na porteira, A linda flor da madrugada, Rosa Malandra feiticeira.




Ela é Malandra sim,

Ela foi pistoleira na Bahia,


Rosa Malandra nunca perdeu sua fé,
foi morta foi fuzilada, na porta de um cabaré.

Na sua história de menininha,
Não tinha livros, ela não estudou,
Mais lá pras seus quinze anos foi embora,
E nunca mais voltou...
Por quê?
Tinha sete homens, como professor.


Malandrinha eu te dei aquela Rosa,
 Malandrinha eu te dei aquela Rosa
Venha Sambar comigo e Jogar Jogo de Ronda.


O seu sorriso,
 A sua beleza,
 O seu gingado com muita clareza,
Navalha antes de ir um embora,
 Deixei uma rosa,
 Só que sem espinhos,
A mais bonita nos meus caminhos...

♪  Ponto de subida de Malandras e Malandrinhas:

Olha que lindo o seu olhar,
Olha que lindo o seu andar,
Adeus, adeus
Madrugada já deu hora…
A Malandra se despede, diz adeus e vai embora.


Agora pro seu Morro,
Vai subir meu Deus, ela já vai embora,
Conversa de malandro não tem fim, boa noite meu senhor, boa noite minha senhora.


Chora, chora,
A comunidade chora,
Quando as Malandras vão embora,
Chora, chora...


 ♪





onselectstart='return false'