Seguidores

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Malandro Zé Navalha;


Mensagem do Sr Zé Navalha

Boa Noite senhores da noite e do dia, das ruas vazias e das avenidas lotadas,


Que ganham a vida balançando nos coletivos,


Em meio à pobreza aparente que é material, Mas nunca de espirito.


Andamos nos meios onde somos chamados


Desde a Encruzilhada até o Campo Santo,


Da Ferrovia até a Ladeira.


Da rua asfaltada à estrada de terra,


Sou Malandro e quem não é,


Viver é malandragem pura, no bom sentido,


Na Fé da Oração a Nossa Senhora à Mironga do Candomblé,


Sentado à beira do Cruzeiro oro pelas almas que estão a pé,


Sem rumo na vida depois da vida,


No meu paletó branco, no lenço vermelho,


Enxugo uma lágrima sofrida e meu chapéu tiro àqueles que lutam,


À mãe solteira, à mãe abandonada, pela criança órfã,


Aos doentes que se curam na Fé,


Aos que vivem nas periferias na Fé da labuta na noite e no dia,


Tiro meu chapéu àqueles que na sua Fé fazem o bem onde quer que seja:


Sou Zé,


Sou Maria,


Sou Negro,


Sou Branco,


De Punhal, de Navalha e até Rosa e Cravo na mão,


Estou na luta no lado de lá, não facilito nada, apenas gingo,


Pra lá e pra cá e passo no jogo de cintura pela vida apertada.


Estou aqui para te escutar, te entender e mostrar que rumo tomar


Vou na Fé, na sua, na minha, na de Deus, mas vou, sempre…

Mensagem ditada por Sr Zé Navalha

Psicografada brilhantemente por   Rafael Martins Marcondes







Imagem n º 1 do acervo de Malandro carioca.
onselectstart='return false'